-
Postado em 14 de Julho de 2020 às 21h23

Tecnologia da Epagri para substituição de abelhas rainhas turbina produção de mel em SC

+ Agro (89)

A Epagri e os apicultores estão de olho no reinado das colmeias. Para elevar a produção e tornar a atividade ainda mais sustentável, novas abelhas rainhas são introduzidas para assumir o comando dos “súditos”. Elas são jovens e selecionadas a partir de características como alta produtividade, resistência a pragas e doenças e comportamento higiênico, reduzindo significativamente a mortalidade das colônias no inverno. A tecnologia é resultado de pesquisas da Epagri, que selecionou as rainhas em parceria com os apicultores e, desde 2014, realiza capacitações na área.

Uma colmeia com rainha nova produz aproximadamente 30% a mais de mel. Quando a rainha é jovem e selecionada, a produção pode aumentar em até 200%. A Epagri estima que essa tecnologia tenha sido aplicada por cerca de 3 mil apicultores em 12 mil colmeias do Estado em 2019, gerando um incremento de 64t de mel, que equivalem a cerca de R$932 mil.

Outra vantagem é que, com rainhas jovens e selecionadas, o índice de infestação pelo ácaro Varroa destructor cai de 6% para apenas 1% a 2%. Essa é uma das práticas recomendadas para manter a sanidade dos apiários, dispensando o uso de produtos para controlar pragas e doenças e garantindo um alimento mais seguro. O meio ambiente ainda sai ganhando com o aumento da população de abelhas para a polinização.

Revista Setor Agro & Negócios Os apicultores podem selecionar as próprias rainhas ou comprá-las. Um programa da Secretaria da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural, que oferece subsídio para a...

Os apicultores podem selecionar as próprias rainhas ou comprá-las. Um programa da Secretaria da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural, que oferece subsídio para a aquisição, já forneceu 9,1 mil rainhas desde 2016. Os criadores credenciados para comercializar pelo programa seguem a metodologia da Epagri e os compradores devem estar habilitados tecnicamente para a substituição.

A apicultora Fabrícia Wernke, de Orleans, gera uma renda extra com a venda de rainhas dentro e fora do programa. Ela tem mil colmeias para
produção orgânica de mel e sabe da importância dessa tecnologia. “Todos os anos, analiso o resultado de cada colmeia e, se a produção não vai bem, substituo a rainha. Agora também forneço para outros produtores”, conta. Em 2019, a família vendeu 1,4 mil princesas, rainhas e núcleos. “Isso nos impulsiona e ajuda a permanecer no setor”, diz.

 

Com informações Assessoria de Imprensa Epagri

Veja também

Ampliação de regiões livres de aftosa sem vacinação mostra a excelência do sistema de defesa sanitária do país25/03Comitê Científico da OIE deu este reconhecimento para mais seis estados brasileiros. Decisão deve ser votada na plenária da Organização em maio. A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) comemorou o parecer favorável da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) que reconheceu Paraná, Rio Grande do Sul, Acre, Rondônia e parte dos estados do Amazonas e Mato Grosso como áreas livres de febre aftosa sem vacinação. O Ministério da Agricultura,......
PIB do agronegócio tem crescimento recorde de 24,31% em 202024/03Com o resultado, setor amplia de 20,5% para 26,6% sua participação na economia brasileira O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio cresceu 2,06% em dezembro e fechou o ano de 2020 com uma expansão recorde de 24,31%, na comparação com 2019, segundo Comunicado Técnico da Confederação da......
Santa Catarina exigirá rastreabilidade do leite para dar mais segurança ao consumidor04/03A partir de agora os laticínios deverão controlar a rastreabilidade do leite e redobrar a atenção com a saúde animal Santa Catarina dá mais um passo importante para erradicação da brucelose e tuberculose bovina no estado. A partir de agora os laticínios deverão controlar a rastreabilidade do leite e redobrar a atenção com a......

Voltar para EDITORIAS