-
Postado em 24 de Março às 21h07

PIB do agronegócio tem crescimento recorde de 24,31% em 2020

+ Agro (96)

Com o resultado, setor amplia de 20,5% para 26,6% sua participação na economia brasileira

O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio cresceu 2,06% em dezembro e fechou o ano de 2020 com uma expansão recorde de 24,31%, na comparação com 2019, segundo Comunicado Técnico da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea).

Com o resultado, o agronegócio ampliou para 26,6% sua participação no PIB total do país no ano passado. Em 2019, este percentual foi de 20,5%.

Todos os segmentos da cadeia produtiva do agronegócio brasileiro no geral tiveram alta em 2020, com destaque para o setor primário (56,59%), seguido por agrosserviços (20,93%), agroindústria (8,72%) e insumos (6,72%). O desempenho do PIB do agronegócio reflete a evolução da renda real do setor, em que são consideradas as variações tanto de volume quanto de preços reais.

Tanto a cadeia produtiva da agricultura (24,2%) quanto da pecuária (24,56%) tiveram expansão expressiva em 2020. Na parte agrícola, destaque para o movimento de alta de preços e o aumento da produção, com safra recorde de grãos e crescimento na oferta de café, cana-de-açúcar e cacau.

Entretanto, CNA e Cepea ressaltam que, apesar do resultado recorde do PIB no ano passado, a cadeia produtiva agrícola ainda se recupera de um cenário adverso de anos anteriores. No setor primário (atividade dentro da porteira), por exemplo, a renda real recuou 20% de 2017 a 2019, apesar do crescimento de 20% da produção no mesmo período diante do momento desfavorável de preços.

Segundo o Comunicado Técnico, o uso intenso de venda antecipada de grãos também contribuiu para que a maior parte dos produtores não se beneficiasse com a forte alta dos preços ao longo de 2020, além da elevação dos custos de produção.

Em relação ao ramo pecuário, a elevação dos preços das proteínas animais em relação a 2019 e a expansão da produção e do abate de suínos e aves e da oferta de ovos e leite refletiram o resultado do ano passado no PIB. Mas o forte aumento nos custos de produção afetou negativamente as margens dentro da porteira e na agroindústria.

“Além dos insumos de alimentação, que estiveram expressivamente encarecidos já que os grãos operaram em patamares recordes, no caso da pecuária de corte, deve-se destacar também as fortes elevações do bezerro e do boi magro”, explica o Comunicado Técnico. 

 

Texto: Assessoria de comunicação CNA

Imagem: Blog Eqseed

Veja também

Praga da cigarrinha: produtor está com dificuldades para obter indenização29/03FAESC pedirá para a CNA interferir junto ao Ministério da Agricultura para que os produtores recebam a indenização via PROAGRO ou seguro rural A praga da cigarrinha já provocou a perda de 50% das lavouras de milho das regiões mais produtivas de Santa Catarina, mas os produtores estão tendo dificuldade em acionar as coberturas securitárias para indenização dos prejuízos. Os Bancos financiadores não estão liberando nem o PROAGRO nem o seguro agrícola sob a alegação de que......
Vetanco apresenta App para controle de cascudinhos no Paraná30/09/20 O novo aplicativo da Vetanco para o controle de cascudinhos, o Vetancid App, foi apresentado recentemente numa oficina para profissionais da empresa Levo Alimentos, em Umuarama, no Paraná. O Assistente Técnico da Vetanco, Rodrigo Cesarin,......
Syngenta utiliza embalagens de resina reciclada para armazenar defensivos agrícolas11/05 Recipientes sustentáveis se conectam aos compromissos de redução de carbono nas operações da empresa em 50% até 2030 Pioneira em apoiar e adotar os produtos reciclados do Sistema Campo Limpo (programa de logística reversa de embalagens vazias e sobras pós-consumo de defensivos agrícolas), a Syngenta foi uma das primeiras empresas do setor de......

Voltar para EDITORIAS