-
Postado em 25 de Março de 2020 às 11h25

Países sul-americanos definem normas para garantir tráfego de alimentos durante pandemia

Mercado (153)

Ministros da Agricultura de diversos países da América do Sul participaram nesta segunda-feira (23), a convite da ministra Tereza Cristina, de uma videoconferência para debater a harmonização de normas e garantir a fluidez do trânsito de mercadorias e o abastecimento de alimentos na região durante a pandemia do Coronavírus. “É indispensável nosso alinhamento no mais alto nível político, que deverá também se refletir em instruções ágeis e claras para o plano operacional, sobretudo para a ponta, as autoridades fronteiriças”, argumentou a ministra brasileira.

Participaram da reunião virtual com Tereza Cristina os ministros Luis Eugenio Basterra (Argentina), Antonio Walker Preito (Chile), Rodolfo Max Friedmann Alfaro (Paraguai), Carlos Maria Uriarte (Uruguai), Jorge Luis Montenegro Chavesta (Peru) e Beatriz Eliane Capobiano Sandoval (Bolívia), além de representantes dos ministérios brasileiros da Infraestrutura e das Relações Exteriores.

Sob a coordenação do Conselho Agropecuário do Sul (CAS), foro ministerial de consulta e coordenação de ações regionais – hoje sob a presidência temporária do Chile, será elaborado um documento com protocolos para garantir o livre tráfego do transporte rodoviário de cargas entre os países (incluindo também a Colômbia). Os ministros decidiram criar um canal de comunicação por WhatsApp para trocarem informações com maior rapidez sobre eventuais problemas que possam ocorrer.

Todos os ministros afirmaram que, apesar do fechamento de fronteiras rodoviárias para passageiros de outros países, não há restrições a cargas agropecuárias. “Precisamos nos antecipar ao que pode ocorrer, caso a situação piore”, disse Tereza Cristina, lembrando que a manutenção dos corredores sanitários é garantir não só a exportação de cada país, mas também o abastecimento local.

Para mensurar o impacto que o comércio regional tem sobre o suprimento de alimentos, a ministra lembrou que o Brasil exportou para os vizinhos sul-americanos cerca de US$ 3,7 bilhões em produtos agropecuários, em 2019, e deles importou US$ 5,8 bilhões no mesmo período. “Temos uma grande responsabilidade ao nos somarmos a esses esforços: garantir o abastecimento e a manutenção das cadeias de alimentos, do produtor até o consumidor final”.

 

Com informações Mapa

Veja também

CNA diz que decisão da OIE permitirá conquista de novos mercados para a carne brasileira24/06Organização Mundial de Saúde Animal reconheceu RS, PR, AC, RO e parte de AM e MT como zonas livres de febre aftosa sem vacinação A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) avaliou que o reconhecimento de mais estados como zonas livres de febre aftosa sem vacinação mostra a eficiência do sistema sanitário brasileiro e vai permitir ao País alcançar novos mercados para a carne bovina brasileira. A decisão foi anunciada oficialmente, na quinta, 27/05, pela......
Produtores já podem ter acesso a recursos do Plano Safra 21/2205/07 No total, foram disponibilizados R$ 251,2 bilhões para apoiar a produção agropecuária nacional, com destaque para financiamento de técnicas sustentáveis, investimentos e agricultura familiar. Entrou em vigor na......
Cenário econômico motiva investimentos na Primavera da Pecuária12/09/19 A Temporada de Primavera da Pecuária Gaúcha inicia nesta segunda quinzena de setembro com boas perspectivas para os produtores de genética no Rio Grande do Sul. A forte demanda verificada no primeiro semestre sinaliza o aquecimento do......

Voltar para EDITORIAS