-
Postado em 18 de Outubro às 16h22

EM BUSCA DE CRESCIMENTO, COTRIJAL PLANEJA PRÓXIMOS ANOS

Cooperativas (52)

O mundo mudou. A pandemia de covid-19 impactou o dia a dia de bilhões de pessoas e, embora o avanço da vacinação tenha possibilitado a flexibilização de diversos protocolos preventivos, alguns hábitos construídos nos últimos meses e mudanças que foram implementadas na vida das pessoas devem permanecer. Neste cenário em transformação, o cooperativismo segue sua missão em busca de prosperidade.
As cooperativas não ficaram isentas dos problemas econômicos provocados pela pandemia. Mas, conforme o presidente do Sistema OCB (Organização das Cooperativas Brasileiras), Márcio Lopes de Freitas, os cooperados pressionaram para que as atividades não parassem, o que abriu as portas para a inovação e novos mercados.


“A resiliência e a capacidade de resposta da forma de negócio cooperativo foram, assustadoramente, positivos. As pessoas se agregaram mais às cooperativas. Os índices de fidelização melhoraram. As cooperativas tiveram, forçadamente, que manter as atividades porque a base queria isso”, explica Freitas.


Apesar do medo inicial com a economia mundial, a crise provocou aumento do consumo global, o que mudou de patamar os preços das commodities agrícolas como forma de garantir o abastecimento, o que foi benéfico aos produtores rurais. Ao mesmo tempo, o distanciamento social forçou as pessoas a ficarem em casa e provocou uma reflexão sobre a forma como todos estão vivendo.
Freitas acredita que o mundo está passando por uma mudança de valores, o que exigirá uma economia mais participativa.
“O capitalismo selvagem, a qualquer custo, não está satisfazendo a sociedade. O socialismo puro e simples também não está realizando a felicidade das pessoas. Qual é o modelo em que a pessoa pode se aproximar de um processo mais justo, participativo e igualitário? O cooperativismo, mesmo sem uma propaganda direcionada a isso, vem se ajustando a essa demanda da sociedade. Isso ocorre no mundo inteiro”, reflete o presidente do Sistema OCB.

DEZ ANOS EM UM

O engenheiro agrônomo e professor Marcos Fava Neves, também conhecido como Doutor Agro, calcula que em pouco mais de um ano e meio a pandemia resultou em transformações que levariam cerca de uma década para se tornar realidade. Apesar do elevado custo humano e econômico, há mudanças positivas, como a eficiência administrativa, fortalecimento das atividades digitais, diminuição de custos e processos e melhorias nas comunicações.


Neste mundo em transformação, Neves aponta que o papel das cooperativas se torna essencial, tendo como principal objetivo a construção de margens e valor aos cooperados.


“As cooperativas são absolutamente fundamentais para manter o produtor em linha na ponta com o que está acontecendo. Se hoje você consegue gerenciar por metro quadrado as fazendas e não mais por hectare, quem tem que ajudar o produtor a fazer isso, principalmente, o pequeno e o médio, é a cooperativa”, salienta o Doutor Agro.

Veja também

Aviagen anuncia Leandro München como novo gerente geral no Brasil11/02Leandro München é médico-veterinário e será responsável pela operação da Aviagen no país Visando melhorar ainda mais o suporte de alto nível prestado aos clientes, a Aviagen(R) anuncia a contratação do médico-veterinário Leandro München que assumiu o cargo de gerente geral para o Brasil, em Janeiro, reportando-se diretamente ao presidente da Aviagen América Latina, Ivan Pupo Lauandos. Com quase duas décadas de experiência, München......
Copercampos investe mais de R$ 9 milhões na indústria de rações31/05/19 A Indústria de Rações Copercampos está sendo ampliada. A cooperativa realizada neste ano, investimentos para elevar a eficiência de sua planta que produz rações para o setor Agroindustrial e também rações atender a demanda das Lojas Agropecuárias, nas......

Voltar para EDITORIAS