-
Postado em 20 de Abril de 2020 às 08h37

CNA avalia impacto do coronavírus no Brasil e Estados Unidos

Mercado (153)

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) promoveu uma transmissão ao vivo por meio do Instagram, na sexta (17), para avaliar o panorama do agronegócio brasileiro e norte-americano durante a crise do coronavírus.

O encontro virtual contou com a participação da superintendente de Relações Internacionais da CNA, Lígia Dutra; da especialista em política comercial na Bryant Christie, Alinne Oliveira; e da professora de Comércio Internacional na American University, Renata Amaral.

Um dos temas debatidos foi as medidas realizadas pelo governo dos Estados Unidos para garantir o abastecimento interno e o comércio internacional de produtos agropecuários.

Segundo Alinne, o pacote de apoio aprovado pelo governo federal destina, pelo menos, US$ 23,5 bilhões para garantir assistência ao setor e a oferta de alimentos internamente. Além disso, está em discussão a possibilidade de um auxílio direto para produtores e a compra de produtos excedentes.

“Outro ponto interessante foi a flexibilização que eles fizeram para as exportações de frutas via aérea. Como o número de pessoas viajando caiu muito, eles vão permitir o transporte de cargas na cabine de passageiros”, disse.

A especialista em política comercial também revela que o setor de frutas e verduras vem apresentando aumento de vendas em supermercados, incluindo na versão enlatada. Por outro lado, houve queda nos preços das commodities e o fechamento de plantas de processamento de carne devido ao afastamento de funcionários infectados pelo Covid-19, o que pode reduzir a oferta doméstica e uma eventual flexibilização na importação desses produtos.

Restrições

Até o momento não foram registradas restrições dos Estados Unidos em relação ao comércio de produtos agropecuários com outros países. Em termos globais, a Organização Mundial do Comércio (OMC) prevê uma queda de 13% a 32% no comércio mundial de bens em 2020, indica Renata Amaral.

“Ninguém sabe quanto tempo a crise vai durar. É extremamente importante a transparência de dados e a cooperação entre os países, principalmente para que os alimentos não sofram restrições”, afirmou.

Sobre possíveis avanços no acordo comercial entre o Brasil e Estados Unidos, a professora da American University avalia que existe disposição política para facilitar uma aproximação. Conforme ela, equipes técnicas estão trabalhando em pontos específicos de um relatório preliminar, mas a pandemia e as eleições presidenciais norte-americanas neste ano devem atrasar qualquer definição.

Quanto aos negócios envolvendo Estados Unidos e China, a visão geral é que primeira fase do acordo comercial está sendo cumprida. Apesar disso, os volumes elevados de exportação e importação previstos, somados à falta de transparência nas regras sanitárias e fitossanitárias, criam fragilidade na parceria.

Nesse cenário e com as mudanças provocadas pela pandemia, elas acreditam que o Brasil precisa rever políticas comerciais e estar atento a novas oportunidades que poderão surgir no mercado internacional. Um objetivo comum entre Brasil e Estados Unidos poderá ser a União Europeia. Em parceria, ambos podem derrubar medidas protecionistas e aumentar as exportações, apesar da concorrência em alguns produtos agropecuários.

“Exportamos US$ 7 bilhões para os Estados Unidos no ano passado. É o nosso terceiro maior parceiro comercial. Sabemos que é um concorrente forte no mercado internacional, mas também existe uma complementaridade e uma possibilidade de ampliarmos nossos negócios juntos”, acredita Lígia Dutra.

Assista a conversa na íntegra:

Com informações Assessoria de Comunicação CNA

Veja também

Notas oficiais sobre possível detecção de traços de vírus em embalagem de produto de origem brasileira13/08/20 A Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA) informa que o setor produtivo está analisando as informações de possível detecção de TRAÇOS DE VÍRUS em EMBALAGEM de produto de origem brasileira, feita por autoridades municipais de Shenzen, na China. Ainda não está claro em que momento houve a eventual......

Voltar para EDITORIAS