-
Postado em 04 de Dezembro de 2019 às 19h04

Trigo encerra colheita no Rio Grande do Sul com crescimento de 25,4%

Grãos (73)

A Federação das Cooperativas Agropecuárias do Estado do Rio Grande do Sul (FecoAgro/RS) divulgou uma avaliação da safra de trigo 2019, que está no final da colheita no Rio Grande do Sul. Os dados da safra são positivos em relação a temporada passada quanto ao volume de produção. Em termos de área plantada, em 2018 o Estado cultivou 710 mil hectares, com produtividade média de 2.469 quilos por hectare, enquanto na safra 2019 a previsão é de 3.069 quilos por hectare segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Já em relação ao volume de produção é de 2,2 milhões de toneladas superando a safra anterior em 25,4% que foi de 1,7 milhões de toneladas.

Levantamento realizado pela entidade junto às cooperativas filiadas na área de ação que abrange mais de 80% das regiões com produção de trigo no Rio Grande do Sul, a produtividade média obtida foi de 3.267 quilos por hectare 6,45% superior à previsão do IBGE. A avaliação da FecoAgro/RS é que, em uma visão geral, a safra é considerada boa, sendo que algumas regiões que colheram mais tarde sofreram na colheita com as chuvas ocorridas. Mesmo assim, de acordo com a entidade, é apenas uma parcela pequena do volume produzido.

As cooperativas agropecuárias gaúchas associadas da FecoAgro/RS originam mais de 50% da safra de trigo no Rio Grande do Sul. Em relação aos preços ofertado ao produtor, neste ano está 10,15% superior a médio do preço de 2018. A entidade indica que o produtor que colher 58 sacas por hectare cobre o desembolso ao preço atual na faixa de R$ 40,00 a saca. A informação é que em algumas lavouras a produtividade superou a 70 sacas por hectare.

A projeção da FecoAgro/RS indica que a lavoura no Estado vai gerar um volume financeiro superior a R$ 3 bilhões considerando o Valor Bruto da Produção gerada de R$ 1,45 bilhões que, somado ao aos gastos na formação da lavoura (custos) da ordem de R$ 1,7 bilhões perfaz esta cifra. A entidade conclui o comunicado afirmando que, considerando a cadeia como um todo, a circulação de recursos é bem superior a esse valor.

 

Texto: Nestor Tipa Júnior/AgroEffective

Foto: FecoAgro RS/Divulgação

Veja também

Trigo: nutrição adequada das plantas é essencial para mitigar estresses climáticos06/08Soluções naturais podem reduzir perdas na safra e elevar o potencial produtivo da planta Crédito: Alltech Crop Science   Após um período de secas em várias regiões do país, o ciclo produtivo do trigo está se intensificando desde meados de junho, época em que aumentam os riscos ao plantio por conta de estresses térmicos e hídricos, que podem afetar a produtividade. Por conta disso, triticultores já estão......
Pulse no prato10/09/20O feijão é o pulse mais consumido no Brasil. Os estados do Paraná e Mato Grosso lideram a produção. Segundo o Instituto Brasileiro do Feijão e Pulses (Ibrafe) O típico prato brasileiro, arroz e feijão, é composto por um pulse. O nome não é popular, mas vem do latim puls, que significa "sopa grossa". De fato os pulses - feijões, lentilhas, grão de bico e......
Clima seco e mercado em alta favorecem cenário para o trigo no Paraná26/06/20 Depois de amargar uma safra frustrada por problemas climáticos no ano passado, o trigo que vem sendo plantado agora no Paraná conta com boas perspectivas, tanto de preço, quanto de clima. A estiagem que atrasou o plantio da safra de soja......

Voltar para EDITORIAS