Postado em 01 de Março às 13h59

Saiba como o plantio direto pode aumentar a produtividade da sua lavoura

Grãos (12)
O sistema de plantio direto consiste em uma técnica de manejo de solo conservacionista que pressupõe o não revolvimento do solo, a manutenção da superfície coberta com palha e a rotação de culturas. De acordo com a Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), 32 milhões de hectares adotam o plantio direto no Brasil. No entanto, apenas aproximadamente 2,7 milhões de hectares seguem este tipo de cultivo agrícola da maneira correta.

Segundo Giancarlo Rocco, gerente de Marketing na Precision Planting, o sistema de plantio direto chegou ao Brasil na década de 80 como uma prática conservacionista para controlar a erosão provocada pelas chuvas torrenciais típicas do clima tropical, reduzir a compactação do solo ocasionada pela utilização de maquinário, melhorar a qualidade química do solo e diminuir os impactos ambientais e os custos de produção.

?O surgimento do plantio direto foi um marco para a agricultura brasileira e foi bem recebido pelos produtores?, diz Giancarlo. ?Por outro lado, o sistema ainda não é feito com a qualidade adequada na maior parte das propriedades. Isso acontece, principalmente, pelas janelas de cultivo cada vez mais curtas, que impactam na falta de alguns cuidados como a regulagem correta de plantadoras e colheitadeiras?, explica.

Diferentemente do plantio convencional, no plantio direto não existe método de preparo com aração e gradagem. No lugar, as palhas e os restos vegetais da colheita anterior são mantidos espalhados pela superfície onde será realizado o plantio seguinte. Com isso, o solo fica protegido contra a erosão provocada pelo impacto das chuvas.

Problemas com erosão foram as razões que levaram a família Vendruscolo, de Quilombo (SC), a adotar o sistema de plantio direto em 1996. ?A região tinha muitos problemas com deterioração do solo, impedindo o trabalho com maquinário. Por meio desse sistema, houve grande agilização da operação e maior conservação do solo, possibilitando a permanência da nossa família na atividade agrícola?, afirma o produtor rural Anderson Vendruscolo.

No início, o cultivo na propriedade era mínimo. Hoje é 100% feito com plantio direto. ?Levamos cerca de três safras para obter um resultado satisfatório, até nos adaptarmos e o solo melhorar. Para a agricultura dar resultados, há uma mistura de fatores, mas a qualidade do solo é a matriz para se conquistar todo o resto?, diz Anderson. ?A euforia pelo plantio constante, torna a prática agrícola insustentável a longo prazo?, completa.

A rotação de culturas é outra técnica do plantio direto. ?Cultivar somente milho e soja, ano após ano, por exemplo, é algo que empobrece o solo, devido à extração seletiva de cada espécie. O recomendado é revezar culturas para manejar a química e a física do solo. Para quem busca descompactação, uma alternativa é introduzir plantas na rotação como braquiária, nabo forrageiro e crotalária por serem plantas de raízes profundas, que quebram a compactação do solo e melhoram suas características físicas?, explica o especialista Giancarlo.

Na lavoura da família Vendruscolo, há a rotação de culturas entre soja, milho, feijão e trigo. ?Se agora plantamos trigo e soja, o solo receberá milho na próxima safra. A soja também é intercalada com aveia, que é plantada junto com o nabo forrageiro. Já no manejo de pré-cobertura de inverno, é cultivado capim-sudão ou milheto, responsáveis por proteger o solo antes da cobertura de inverno?, explica Anderson.

A regulagem de equipamentos é outro cuidado feito pela família Vendruscolo. ?Fazemos a regulagem do picador da colheitadeira MF 6690 para melhor distribuição da palha sobre o solo. Com isso, os materiais vegetais caem uniformemente, impedindo que faixas de terra fiquem sem palha? diz.

Segundo Airton Francisco de Jesus, diretor superintendente da Agropastoril Jotabasso, de Ponta Porã (MS), a empresa adota o sistema de plantio direto há mais de 30 anos devido a todos os benefícios que esta técnica traz. ?As melhorias nas características do solo e da produtividade foram rapidamente observadas. Atualmente, a empresa cultiva soja, milho, aveia e sorgo. Já a braquiária entra para desempenhar um papel fundamental, pois além de ter um volume de massa, é responsável pela reciclagem de nutrientes?, diz Airton.

Engenheiros agrônomos ou os próprios agricultores podem medir a qualidade do plantio direto por meio de indicadores quantitativos como palha na cobertura do solo, rotação de culturas, eficiência de corte da palha, dosagem do fertilizante e da semente, entre outros. Os parâmetros subjetivos incluem a observação da presença de quebras, desperdícios etc.

Desse modo, seguindo os procedimentos do plantio direto corretamente, é possível reduzir os custos de produção, controlar a erosão, reduzir a temperatura do solo, além de melhorar sua qualidade, aumentar a produtividade e ainda contribuir para uma agricultura mais sustentável.

Sobre a Massey Ferguson:
A Massey Ferguson é referência no mercado brasileiro de máquinas agrícolas há 57 anos. Pertencente ao grupo AGCO, a marca é a maior fabricante de tratores da América Latina e a maior exportadora do produto no Brasil. Os tratores, colheitadeiras e implementos Massey Ferguson são comercializados para mais de 80 países, principalmente África do Sul, Arábia Saudita, Argélia, Argentina, Bolívia, Chile e Venezuela. As fábricas na América do Sul ficam localizadas no Brasil ? em Canoas/RS (tratores), Santa Rosa/RS (colheitadeiras), Ibirubá/RS (implementos) e Ribeirão Preto/SP (equipamentos para cana-de-açúcar e pulverizadores) ? e também na Argentina, General Rodriguez/BUE (tratores, motores e colheitadeiras). Mais: www.massey.com.br

Sobre a AGCO:
A AGCO (NYSE: AGCO) é líder mundial em concepção, fabricação e distribuição de equipamentos e soluções agrícolas, e apoia a agricultura produtiva com uma linha completa de equipamentos e serviços relacionados. Os produtos da AGCO são vendidos por meio de cinco marcas principais: Challenger®, Fendt®, GSI®, Massey Ferguson® e Valtra®, contam com o suporte da tecnologia de precisão Fuse® e serviços de otimização agrícola. Fundada em 1990, a AGCO está sediada em Duluth, GA (EUA). Em 2017, a AGCO teve receita líquida de vendas de US$ 8,3 bilhões. Para mais informações, visite http://www.AGCOcorp.com. Para notícias da companhia, informações e novidades sobre eventos, siga-nos no Twitter: @AGCOCorp. Para informações financeiras no Twitter, siga a hashtag #AGCOIR.

Veja também

14ª edição da TecnoCarne traz novidades e oportunidades de negócios para a indústria de proteína animal18/07 A 14ª edição da TecnoCarne, feira referência do setor da indústria de processamento de proteína animal da América Latina, já tem data definida para este ano. O evento será realizado entre os dias 06 e 08 de agosto, no São Paulo Expo. A feira, que é promovida pela Informa Exhibitions a cada dois anos, reúne diferentes elos do setor......

Voltar para EDITORIAS