-
Postado em 01 de Março de 2019 às 13h59

Saiba como o plantio direto pode aumentar a produtividade da sua lavoura

Grãos (71)
O sistema de plantio direto consiste em uma técnica de manejo de solo conservacionista que pressupõe o não revolvimento do solo, a manutenção da superfície coberta com palha e a rotação de culturas. De acordo com a Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), 32 milhões de hectares adotam o plantio direto no Brasil. No entanto, apenas aproximadamente 2,7 milhões de hectares seguem este tipo de cultivo agrícola da maneira correta.

Segundo Giancarlo Rocco, gerente de Marketing na Precision Planting, o sistema de plantio direto chegou ao Brasil na década de 80 como uma prática conservacionista para controlar a erosão provocada pelas chuvas torrenciais típicas do clima tropical, reduzir a compactação do solo ocasionada pela utilização de maquinário, melhorar a qualidade química do solo e diminuir os impactos ambientais e os custos de produção.

?O surgimento do plantio direto foi um marco para a agricultura brasileira e foi bem recebido pelos produtores?, diz Giancarlo. ?Por outro lado, o sistema ainda não é feito com a qualidade adequada na maior parte das propriedades. Isso acontece, principalmente, pelas janelas de cultivo cada vez mais curtas, que impactam na falta de alguns cuidados como a regulagem correta de plantadoras e colheitadeiras?, explica.

Diferentemente do plantio convencional, no plantio direto não existe método de preparo com aração e gradagem. No lugar, as palhas e os restos vegetais da colheita anterior são mantidos espalhados pela superfície onde será realizado o plantio seguinte. Com isso, o solo fica protegido contra a erosão provocada pelo impacto das chuvas.

Problemas com erosão foram as razões que levaram a família Vendruscolo, de Quilombo (SC), a adotar o sistema de plantio direto em 1996. ?A região tinha muitos problemas com deterioração do solo, impedindo o trabalho com maquinário. Por meio desse sistema, houve grande agilização da operação e maior conservação do solo, possibilitando a permanência da nossa família na atividade agrícola?, afirma o produtor rural Anderson Vendruscolo.

No início, o cultivo na propriedade era mínimo. Hoje é 100% feito com plantio direto. ?Levamos cerca de três safras para obter um resultado satisfatório, até nos adaptarmos e o solo melhorar. Para a agricultura dar resultados, há uma mistura de fatores, mas a qualidade do solo é a matriz para se conquistar todo o resto?, diz Anderson. ?A euforia pelo plantio constante, torna a prática agrícola insustentável a longo prazo?, completa.

A rotação de culturas é outra técnica do plantio direto. ?Cultivar somente milho e soja, ano após ano, por exemplo, é algo que empobrece o solo, devido à extração seletiva de cada espécie. O recomendado é revezar culturas para manejar a química e a física do solo. Para quem busca descompactação, uma alternativa é introduzir plantas na rotação como braquiária, nabo forrageiro e crotalária por serem plantas de raízes profundas, que quebram a compactação do solo e melhoram suas características físicas?, explica o especialista Giancarlo.

Na lavoura da família Vendruscolo, há a rotação de culturas entre soja, milho, feijão e trigo. ?Se agora plantamos trigo e soja, o solo receberá milho na próxima safra. A soja também é intercalada com aveia, que é plantada junto com o nabo forrageiro. Já no manejo de pré-cobertura de inverno, é cultivado capim-sudão ou milheto, responsáveis por proteger o solo antes da cobertura de inverno?, explica Anderson.

A regulagem de equipamentos é outro cuidado feito pela família Vendruscolo. ?Fazemos a regulagem do picador da colheitadeira MF 6690 para melhor distribuição da palha sobre o solo. Com isso, os materiais vegetais caem uniformemente, impedindo que faixas de terra fiquem sem palha? diz.

Segundo Airton Francisco de Jesus, diretor superintendente da Agropastoril Jotabasso, de Ponta Porã (MS), a empresa adota o sistema de plantio direto há mais de 30 anos devido a todos os benefícios que esta técnica traz. ?As melhorias nas características do solo e da produtividade foram rapidamente observadas. Atualmente, a empresa cultiva soja, milho, aveia e sorgo. Já a braquiária entra para desempenhar um papel fundamental, pois além de ter um volume de massa, é responsável pela reciclagem de nutrientes?, diz Airton.

Engenheiros agrônomos ou os próprios agricultores podem medir a qualidade do plantio direto por meio de indicadores quantitativos como palha na cobertura do solo, rotação de culturas, eficiência de corte da palha, dosagem do fertilizante e da semente, entre outros. Os parâmetros subjetivos incluem a observação da presença de quebras, desperdícios etc.

Desse modo, seguindo os procedimentos do plantio direto corretamente, é possível reduzir os custos de produção, controlar a erosão, reduzir a temperatura do solo, além de melhorar sua qualidade, aumentar a produtividade e ainda contribuir para uma agricultura mais sustentável.

Sobre a Massey Ferguson:
A Massey Ferguson é referência no mercado brasileiro de máquinas agrícolas há 57 anos. Pertencente ao grupo AGCO, a marca é a maior fabricante de tratores da América Latina e a maior exportadora do produto no Brasil. Os tratores, colheitadeiras e implementos Massey Ferguson são comercializados para mais de 80 países, principalmente África do Sul, Arábia Saudita, Argélia, Argentina, Bolívia, Chile e Venezuela. As fábricas na América do Sul ficam localizadas no Brasil ? em Canoas/RS (tratores), Santa Rosa/RS (colheitadeiras), Ibirubá/RS (implementos) e Ribeirão Preto/SP (equipamentos para cana-de-açúcar e pulverizadores) ? e também na Argentina, General Rodriguez/BUE (tratores, motores e colheitadeiras). Mais: www.massey.com.br

Sobre a AGCO:
A AGCO (NYSE: AGCO) é líder mundial em concepção, fabricação e distribuição de equipamentos e soluções agrícolas, e apoia a agricultura produtiva com uma linha completa de equipamentos e serviços relacionados. Os produtos da AGCO são vendidos por meio de cinco marcas principais: Challenger®, Fendt®, GSI®, Massey Ferguson® e Valtra®, contam com o suporte da tecnologia de precisão Fuse® e serviços de otimização agrícola. Fundada em 1990, a AGCO está sediada em Duluth, GA (EUA). Em 2017, a AGCO teve receita líquida de vendas de US$ 8,3 bilhões. Para mais informações, visite http://www.AGCOcorp.com. Para notícias da companhia, informações e novidades sobre eventos, siga-nos no Twitter: @AGCOCorp. Para informações financeiras no Twitter, siga a hashtag #AGCOIR.

Veja também

Safra de grãos supera pandemia e mantém alta produção com 251,8 milhões de toneladas13/04/20 A pandemia de Covid-19 enfrentada pelo mundo não afetou o andamento da safra brasileira de grãos. Com os produtores rurais mantendo as atividades, a estimativa da produção de grãos passou de 251,9 milhões de toneladas para 251,8 milhões de toneladas, uma queda de aproximadamente 100 mil toneladas. Os níveis recordes de colheita estão mantidos, conforme o......
Milho recupera área plantada em Santa Catarina19/07/19 A recuperação da área plantada e o aumento da produtividade do milho são as grandes notícias da mais recente edição do Boletim Agropecuário, documento que apresenta as principais......
Produção de grãos deve superar 268 milhões de toneladas na safra 2020/2109/10/20A nova safra deve ser 4,2% superior ao recorde obtido na temporada 2019/2020 O 1º Levantamento da safra de grãos 2020/21, divulgado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) nesta quinta-feira (8), aponta que a produção está estimada em 268,7 milhões de toneladas, superando em cerca de 11......

Voltar para EDITORIAS