-
Postado em 10 de Fevereiro às 08h19

Rota do milho: mobilização em prol da conexão transfronteiriça é intensificada

Opinião (33)

"A insuficiência de milho para a cadeia produtiva da proteína animal em Santa Catarina e o elevado custo de transporte desse grão para o abastecimento interno do Estado preocupam o ramo agropecuário cooperativista catarinense pelo risco de inviabilizar a manutenção desse segmento" alerta o presidente da Organização das Cooperativas do Estado de Santa Catarina (OCESC), Luiz Vicente Suzin. Uma alternativa para a continuidade das atividades e ampliação da competitividade é a Rota do Milho. Para debater esse assunto acontece na próxima quinta-feira (13), às 13h30, a quarta edição do Fórum Mais Milho, no auditório do Sicoob em Mafra.

Conforme Suzin, a Rota do Milho tem sido debatida desde 2016, porém ainda não foi concretizada mesmo com os esforços de inúmeras lideranças e entidades. "Esse assunto é extremamente importante para Santa Catarina, por isso o trabalho para viabilizar a rota tem sido incansável tanto de lideranças políticas quanto de representantes das entidades de classe. Somamos forças nos três países: Brasil, Argentina e Paraguai para que o projeto efetivamente aconteça", observa o presidente da OCESC.

O projeto consiste em buscar no Paraguai o milho para abastecer a imensa cadeia produtiva da avicultura e da suinocultura industrial catarinense. Atualmente, Santa Catarina produz 3,5 milhões de toneladas de milho/ano e utiliza aproximadamente 7 milhões, sendo o maior importador do grão do País. Ao suprir esse déficit com o transporte do Centro Oeste brasileiro (Mato Grosso, Goiás e Mato Grosso do Sul) há um encarecimento da produção e uma redução da competitividade das empresas do setor.

"A mudança no Governo Federal da Argentina pode resultar em uma parada nas tratativas. Para evitar isso a mobilização em prol da Rota do Milho está sendo intensificada, pois as indústrias catarinenses do agronegócio precisam ter várias fontes de fornecimento desse insumo", destaca Suzin.

Segundo o presidente do Bloco Regional de Intendentes, Prefeitos, Alcaldes e Empresários do Mercosul (BRIPAEM), prefeito de Chapecó Luciano Buligon, em função da mudança do Governo Federal da Argentina a entidade solicitou uma audiência com representantes dos portos para apresentar os avanços do projeto da Rota do Milho e também para conhecer as opiniões e a postura dos novos líderes sobre a proposta. "Ainda não há previsão para essa audiência, possivelmente será confirmada neste mês, pois aguardamos as nomeações das autarquias no país vizinho. Sabemos que o processo de internacionalização é burocrático e moroso, por isso contamos com a pressão dos deputados, das entidades do setor agropecuário e das autoridades locais que integrarão a rota para auxiliar no avanço desse anseio", enfatiza Buligon.

A Receita Federal e o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), de acordo com o prefeito, confirmaram apoio à Rota do Milho. Aliado a isso, a proposta conta com o know-how da fronteira de São Borja para fazer o desembaraço dos caminhões. "Estamos fomentando a conexão transfronteiriça, contudo o avanço da conversa está com a Argentina", analisa Buligon.

O coordenador da Frente Parlamentar da Nova Rota do Milho, deputado estadual Marcos Vieira, visitará no fim deste mês (em data a ser confirmada na próxima segunda-feira, dia 10) a Câmara Legislativa de Posadas (capital da Província de Misiones, na Argentina) para estreitar o relacionamento e consolidar a parceria com a Assembleia Legislativa de Santa Catarina (Alesc). "O intuito é propor a criação da Frente Parlamentar Transfronteiriça composta por representantes dos três países e articular uma agenda estratégica para garantir investimentos para potencializar a indústria periférica, o comércio e o turismo dos municípios da rota" argumenta.

Conforme o parlamentar, seis deputados estaduais da região de Misiones participaram do Fórum Internacional Agro Sem Fronteiras, realizado em novembro do ano passado em Chapecó. "Isso comprova o interesse dessas lideranças políticas em consolidar a parceria", enaltece Vieira. O próximo passo é elaborar o plano de desenvolvimento da rota e o planejamento de trabalho para atender demandas futuras.
 

Revista Setor Agro & Negócios Trajeto Com a implantação da Rota do Milho, o produto seguirá o seguinte roteiro: será adquirido nos Departamentos de Itapua e Alto Paraná (Paraguai), passará pelo porto...

Trajeto

Com a implantação da Rota do Milho, o produto seguirá o seguinte roteiro: será adquirido nos Departamentos de Itapua e Alto Paraná (Paraguai), passará pelo porto paraguaio de Carlos Antonio López, atravessará o rio Paraná em balsas, entrará em território argentino pelo porto de Sete de Agosto e percorrerá até a divisa com o Brasil, sendo internalizado pelo porto seco de Dionísio Cerqueira.

Promoção

O Fórum Mais Milho é promovido pelo Canal Rural, pela Associação Brasileira dos Produtores de Milho (Abramilho), pela Associação dos Produtores de Sementes do Mato Grosso (Aprosmat) e pela Associação dos Produtores de Soja e Milho do Mato Grosso (Aprosoja). Conta com o apoio da Dekalg e da Secretaria da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento Rural de Santa Catarina. A realização local é do Sistema Faesc/Senar-SC, da Ocesc, do Sindicato das Indústrias da Carne e Derivados no Estado de Santa Catarina (Sindicarne), da Associação Catarinense de Avicultura (ACAV) e da Federação das Cooperativas Agropecuárias do Estado de Santa Catarina (Fecoagro). O patrocínio é da Indutar e da Ilhara.

 

Com informações MB Comunicação

Foto Capa: Pexels

Veja também

Uma lei essencial para a exportação10/11/19 Editada em 1996, a Lei Complementar 87/1996 – conhecida por Lei Kandir em razão de seu autor, o então deputado federal e economista Antônio Kandir – estabeleceu a isenção do pagamento de ICMS sobre exportações de produtos primários e semielaborados ou serviços. A lei não surgiu ao acaso e integrou um arcabouço legal que permitiu......
Querem descarrilar a locomotiva10/03 A locomotiva da economia catarinense nas últimas décadas tem sido a agricultura em parceria com sua co-irmã, a agroindústria. Responde por mais da metade das exportações, gera empregos, produz divisas, recolhe......
Elas e Eles não foram para casa02/04 Em meio à pandemia de Covid-19, o famigerado Coronavírus, gostaria de contar que Elas e Eles não foram para casa. E quem são Elas e Eles? São os milhões de mulheres e homens trabalhadores do agronegócio no......

Voltar para EDITORIAS