-
Postado em 05 de Abril às 23h29

PSA ainda é um grande fator de oscilação nos mercados globais de carne suína, diz Rabobank

Suinocultura (29)

A China é o país mais óbvio onde a PSA continua a ter uma grande influência. Sua propagação durante o inverno destaca os desafios de controlar esta doença e complicou o quadro da oferta e demanda de carne suína na China. “A PSA está criando uma incerteza significativa em áreas-chave, como o número do rebanho na China e as perspectivas para 2021, especialmente para a população de porcas, mas também na produção e nos preços da carne suína na China”, explica Justin Sherrard, Estrategista Global - Proteína Animal do Rabobank .

Embora o Rabobank acredite que a oferta de suínos geralmente aumentará em 2021, os preços deverão flutuar devido às incertezas do desenvolvimento de doenças, interesses de reabastecimento, custos de ração e políticas de importação. “Nossa visão é que os preços médios do suíno em 2021 serão menores do que em 2020 e sujeitos a fortes altas e baixas durante o ano”, diz Sherrard.

Como a economia da China deve se recuperar ainda mais dos impactos do COVID-19 em 2021, isso apoiará a demanda de serviços de alimentação e o consumo institucional, bem como o consumo das famílias. Como os preços da carne suína cairão com os altos níveis de 2020, eles obterão suporte com a melhora na demanda.

Sobre a situação na Alemanha

A pressão contínua da propagação da PSA na Alemanha também é significativa e, embora tenha havido progresso na contenção da doença, é necessário mais trabalho. A situação na Alemanha também tem implicações para outras partes da Europa.

“Depois que o surto de PSA na Alemanha foi confirmado em setembro de 2020, dez países impuseram proibições de importação de carne suína alemã, incluindo China, Japão e Vietnã, deixando cerca de 70.000 toneladas extras de carne suína no mercado da UE a cada mês”, de acordo com Sherrard. Embora vários países tenham relaxado recentemente as proibições de importação de carne suína alemã, a proibição de importação da China provavelmente permanecerá em vigor pelo 1S 2021, no mínimo, já que a situação ainda está evoluindo.

O surto já teve um impacto significativo nas importações de leitões e suínos vivos para a Alemanha, e a redução das importações de animais vivos provavelmente continuará em 2021. De setembro a novembro de 2020, as importações de leitões da Dinamarca e da Holanda, os dois maiores fornecedores de leitões para a Alemanha, caíram 25% e 31%, respectivamente, em comparação com o mesmo período de 2019. Isso representa um total de 0,7 milhão de cabeças a menos importadas para a Alemanha, aproximadamente 1% do total de animais abatidos em 2020.

Sobre o impacto no comércio mundial de carne suína

As implicações da PSA para o comércio mundial de carne suína são um grande fator de oscilação nos mercados globais de carne suína. A crescente demanda de importação de carne suína e outras espécies da China foi um grande impulsionador da demanda nos mercados globais de proteína animal em 2020, mas o Rabobank prevê que as importações de carne suína da China diminuirão em 2021.

“Ao mesmo tempo, vemos todos os países exportadores buscando manter o comércio com a China. O preço será um fator importante que determinará quais países manterão altos fluxos de comércio de carne suína para a China em 2021, junto com a disponibilidade e considerações geopolíticas ”, conclui Sherrard. 

 

Texto e imagem: Assessoria de Imprensa | ACCS - Associação Catarinense de Criadores de Suínos

Veja também

Sombra e água fresca23/11/18 A qualidade do ambiente é essencial para que haja conversão alimentar, menos estresse, e mais bem-estar animal.   Um ambiente confortável tem como princípio básico a minimização de fatores estressantes aos animais, que visa garantir o bem-estar e leva em conta aspectos como densidade animal, possibilidade de desenvolver o comportamento natural da......
Receita de exportações de carne suína cresce 31,6% em setembro07/10/19 A receita das exportações brasileiras de carne suína (considerando todos os produtos, entre in natura e processados) totalizou US$ 124,4 milhões em setembro, informa a Associação Brasileira de Proteína Animal......

Voltar para EDITORIAS