-
Postado em 07 de Abril de 2020 às 09h27

Prorrogação de benefício tributário para máquinas e equipamentos reduz custo para o produtor, diz CNA

Mercado (146)

O Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz) aprovou na sexta (3) a prorrogação, até 31 de dezembro deste ano, do Convênio ICMS nº 52/1991, que reduz a cobrança do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) sobre máquinas e equipamentos agrícolas.

A medida atende a uma proposta da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), que defendia a extensão do prazo para apoiar os produtores rurais. O prazo de vigência anterior era até 30 de abril.

“Dessa forma, o produtor continuará tendo um custo mais barato na compra de uma máquina ou equipamento, tendo mais competitividade. É positivo assim como o Convênio 100”, afirmou o coordenador do Núcleo Econômico da CNA, Renato Conchon.

O Confaz também havia aprovado o Convênio IMCS 100/97, também para 31 de dezembro deste ano, prevê a isenção tributária em operações internas e reduz a cobrança do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) na comercialização interestadual de insumos agropecuários.

O Convênio 100 reduz a base de cálculo do ICMS em até 30% para fertilizantes e rações e em até 60% para defensivos agrícolas e sementes.

 

Com informações Assessoria de Comunicação CNA

Veja também

Comportamento do mercado de leite no Brasil reflete desajuste entre oferta e demanda07/07/20 A pandemia do novo coronavírus tem desafiado a cadeia produtiva de lácteos que, segundo os especialistas, passa por movimentos bruscos. Primeiro, houve elevação nos preços dos produtos lácteos devido aos movimentos de consumo logo após o início do isolamento social. Para o pesquisador da Embrapa Gado de Leite Glauco Carvalho, assim que a crise teve......
Custos de produção de suínos e de frangos de corte sobem em fevereiro18/03/20 Os custos de produção de suínos e de frangos de corte calculados pela CIAS, a Central de Inteligência de Aves e Suínos da Embrapa, continuaram em alta no mês de fevereiro, acumulando 0,96% e 1,82%, respectivamente, na......

Voltar para EDITORIAS