Postado em 18 de Dezembro de 2019 às 11h46

Produção avícola paranaense segue ritmo de crescimento acima de 5% no acumulado

Avicultura (14)

Os números da produção avícola paranaense no acumulado até o mês de novembro confirmam a recuperação do setor durante 2019. Com expectativa de crescimento em produção para o ano entre 4 e 5%, o estado segue esse ritmo até o momento, como mostram os dados do Sindicato das Indústrias de Produtos Avícolas do Estado do Paraná (Sindiavipar). No Paraná, os abates de frango cresceram 5,96% no acumulado do ano, registrando 1,71 bilhão de cabeças ante 1,62 bilhão em 2018.

Considerando apenas novembro, a produção foi de 150,96 milhões de aves, número 2,64% maior em relação ao mesmo mês do ano passado, no qual 147,08 milhões de aves foram abatidas, e a melhor marca no décimo primeiro mês do ano em sua história.

Para o presidente do Sindiavipar, Domingos Martins, os números reforçam o trabalho realizado pelos produtores na recuperação econômica do setor. "Juntos tivemos a capacidade de nos moderar, de agirmos com sabedoria quanto ao crescimento e trabalhamos exatamente de acordo com a nossa demanda para projetarmos nossa oferta. Hoje a grande preocupação da avicultura paranaense é se manter atuante e vigilante no mundo todo, oferecendo cada vez mais produtos, com as melhores condições possíveis", afirma.

Exportações

As exportações acompanharam o ritmo de crescimento, impulsionadas pelas novas habilitações para o mercado internacional e à crise de peste suína africana que assola a Ásia. No acumulado até novembro, o Paraná enviou 1,43 milhão de toneladas de carne de frango ao exterior, um aumento de 2,43% em relação ao mesmo período em 2018 (1,39 milhão de toneladas). Desta forma, o Paraná foi responsável por 37,97% dos embarques brasileiros da proteína até o momento, mantendo o estado na liderança do setor tanto na exportação quanto na produção. Os dados são da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC).

Em receita, o valor chegou a US$ 2,31 bilhões, com aumento no acumulado de 6,94% em relação a 2018 (US$ 2,15 bilhões). Os principais países importadores da carne de frango paranaense foram a China (252,34 mil toneladas), seguida por África do Sul (127,30 mil ton.) e Emirados Árabes (117,02 mil ton.).

Os números trazem otimismo ao setor, que espera um crescimento de 4 a 6% para o próximo ano, como ressalta Martins. "Acredito que teremos um ótimo 2020 para a avicultura, com a expectativa de crescimento da economia. Este avanço impulsiona o consumo, e com isso nós crescemos também. Espero um aumento ainda maior de nossa produção, levando em conta que o mundo está cada vez mais precisando importar proteínas de origem animal, principalmente do Brasil e do Paraná", ressalta.

Sobre o Sindiavipar

O Sindicato das Indústrias de Produtos Avícolas do Estado do Paraná (Sindiavipar) representa 44 abatedouros e incubatórios paranaenses. Desde sua fundação, há 25 anos, o Sindiavipar tem trabalhado para buscar o crescimento e a sustentabilidade da avicultura do estado, buscando sempre representatividade no mercado interno e externo.

Atualmente, o Paraná é o maior produtor e exportador nacional, além de referência em sanidade avícola e responde por mais de 38% das exportações de carne de frango do país, embarcando o produto para mais de 160 países em todo o mundo.

 

Texto: Assessoria de Imprensa Sindiavipar

Foto: Pexels

Veja também

Para um melhor controle da Escherichia coli06/11/19 Uma das bactérias mais comuns na avicultura, a Escherichia coli (E. coli) é responsável por perdas produtivas e prejuízos econômicos importantes, tanto em frangos de corte, como em aves de postura e também em matrizes. Presente no solo, na água, nas fezes e no próprio organismo da ave, a bactéria pode se manifestar com maior ou menor intensidade, de......
Mais frango, por favor!23/11/18 A produção de carne de frango no Paraná desempenha importante papel na oferta de saúde, nutrição e sabor nos quatro cantos do País – e até do mundo - por um preço competitivo. Ou seja, a......

Voltar para EDITORIAS