-
Postado em 31 de Março às 20h14

Para um melhor controle da Escherichia coli em granjas

Avicultura (32)

Indicada para a vacinação de galinhas reprodutoras, galinhas poedeiras comerciais e frangos de corte, pode ser aplicada em aves de qualquer idade

Uma das bactérias mais comuns na avicultura, a Escherichia coli (E. coli) é responsável por perdas produtivas e prejuízos econômicos importantes em frangos de corte, postura comercial e matrizes pesadas. Presente no solo, na água, nas fezes e no próprio organismo da ave, a bactéria pode se manifestar com maior ou menor intensidade, de acordo com as condições da granja e de fatores como estresse, má qualidade do ar, ambiência inadequada, doenças respiratórias etc. “A E. coli é o agente causador da colibacilose aviária, que apresenta diversas manifestações clínicas”, explica o médico-veterinário Gleidson Salles, Assistente Técnico de Aves da Zoetis. “Geralmente, é tratada como uma infecção secundária, uma vez que afeta o desempenho das aves e ainda potencializa os problemas já existentes na granja”, completa Salles.

Dentre as manifestações clínicas causadas pela E.coli estão onfalite, salpingite, peritonite, pericardite, aerossaculite, entre outras, além de a bactéria ser responsável por condenações de carcaças de frango e aumento na taxa de mortalidade. “Os problemas podem comprometer o desempenho dos animais e, consequentemente, a produtividade da granja”, observa Salles.

“É importante destacarmos que, com o desenvolvimento de técnicas de diagnóstico e a observação de casos recorrentes em granjas no último ano, a E.coli tem sido apontada também como agente primário de mortalidade. Esse é um fato novo, que requer maior atenção por parte dos veterinários”, alerta o médico-veterinário.

O controle da doença pode ser feito de duas formas – por meio de ações curativas, com o uso de antibióticos, ou por meio de ações preventivas, como a vacinação.

Poulvac E.coli

A solução que a Zoetis disponibiliza para o mercado é Poulvac E.coli, indicada para a vacinação de galinhas reprodutoras, galinhas poedeiras comerciais e frangos de corte.

Com ampla proteção contra diferentes sorotipos da E. coli, a vacinação pode ser realizada por spray em aves saudáveis a partir do 1° dia de vida, como auxiliar na prevenção da doença causada pela bactéria.

Em aves de vida longa, é recomendada uma dose de reforço entre a 12ª e a 14ª semana de idade ou de acordo com a recomendação do médico-veterinário responsável pela granja. “Uma das vantagens da Poulvac E. coli é ser uma vacina viva geneticamente modificada, conferindo segurança para os animais por não causar doença, apenas desenvolvimento imunológico contra a E. Coli. Então a vacina bacteriana não consegue sobreviver na ave nem na granja por mais de 14 dias”, esclarece Salles. “Além disso, pode ser usada em aves de qualquer idade e sua aplicação é feita por meio de spray, o que facilita o manejo”, acrescenta o médico-veterinário.

“O produtor precisa estar cada vez mais atento às exigências do mercado e às tendências globais de produção de proteína animal, e trabalhar a prevenção de doenças vai ao encontro disso”, finaliza Salles.

Estudo com vacina viva

Um estudo realizado pela Zoetis, em parceria com a Universidade Federal do Paraná (UFPR) e com o laboratório Imunova, foi destaque na última edição da revista científica Comparative Immunology, Microbiology and Infectious Diseases, editada pela Elsevier.

Com o objetivo de verificar a resposta imune de mucosa das aves após a aplicação de vacina viva, por meio de spray, para Escherichia coli (E. coli), a pesquisa trabalhou com uma população de 160 animais, do primeiro ao 25° dia de vida. Foram coletados materiais para análise aos 3, 7, 21 e 25 dias de vida das aves.

O estudo demonstrou que a vacina viva contra a E. coli produziu resposta imune local e ainda realizou modulação da microbiota das aves, favorecendo a flora benéfica. “Esse é o motivo pelo qual as aves imunizadas com vacina viva apresentam melhor desempenho zootécnico – ganho de peso, uniformidade e boa conversão alimentar”, relata Eduardo Muniz, Gerente Técnico de Aves da Zoetis.

“A vacina viva aplicada por spray, além de estar alinhada às boas práticas de bem-estar animal, proporciona praticidade na granja e é uma proposta inovadora para lidar com esse antigo problema da avicultura”, reforça o especialista.


Sobre a Zoetis

A Zoetis é uma companhia global líder em saúde animal, dedicada aos clientes e seus respectivos negócios. Com um legado de mais de 65 anos de história, a Zoetis descobre, desenvolve, fabrica e comercializa vacinas e medicamentos veterinários, complementados por linhas de produtos para diagnósticos, testes genéticos e diversos serviços. A Zoetis trabalha continuamente com veterinários, produtores e pessoas que criam e cuidam de animais de produção e de companhia em mais de 100 países, com cerca de 11.300 funcionários. Em 2020, obteve faturamento de US$ 6,7 bilhões de dólares. Para outras informações, acesse www.zoetis.com.br.

 

Texto: Little George

Imagem: Nordeste Rural

Veja também

Custos de produção de frangos de corte aumentam em março 18/04/19 Os custos de produção de frangos de corte calculados pela CIAS, a Central de Inteligência de Aves e Suínos da Embrapa (embrapa.br/suinos-e-aves/cias) subiram 0,24% em março. O ICPFrango chegou a 216,82 pontos, encerrando a trajetória de queda nos custos verificada desde o início de 2019. Ainda assim, no ano, o ICPFrango acumula redução de 0,57%, enquanto......

Voltar para EDITORIAS