-
Postado em 17 de Setembro de 2019 às 17h12

Mapa fecha acordos para exportação de frutas, castanhas e derivados de ovos para Arábia Saudita

Mercado (135)

Durante reunião com o CEO da Saudi Food and Drug Authority (SFDA) da Arábia Saudita, Hisham bin Saad Al Jadhey, a ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) finalizou nessa segunda-feira (16) acordos que ampliam a pauta exportadora de produtos do agronegócio brasileiro ao Reino.

Foram autorizadas pela SFDA, autoridade sanitária saudita, as compras de castanhas, derivados de ovos e a ampliação do acesso a frutas brasileiras. Somados, os produtos representam um mercado potencial superior a US$ 2 bilhões.

"Vamos cadastrar as empresas que queiram exportar e imediatamente estaremos prontos para exportar frutas também para Arábia Saudita", disse a ministra nesta terça-feira (17), após a finalização do acordo. Tereza Cristina citou alguns produtos a serem exportados como castanha do Brasil, manga, uvas de mesa, goiaba, ovo em pó e albumina.

Hisham Al Jadhey mencionou que a Arábia Saudita importa 80% dos alimentos que consome - provenientes de mais de 150 países - , e que o Brasil é importante parceiro para garantir a segurança alimentar do país. Ele ressaltou ainda a qualidade dos produtos brasileiros e demonstrou satisfação com a diversificação da pauta agrícola do Brasil.

A ministra destacou o Brasil como potencial fornecedor de outros produtos de excelente qualidade para a Arábia Saudita, como arroz, açaí, sucos e forragens.

Entre os produtos mais vendidos para os sauditas estão carne de frango (in natura), açúcar de cana (bruto), carne bovina (in natura), soja (grão e farelo), milho, açúcar refinado e café (solúvel e verde). Em 2018, as exportações de produtos agropecuários ao país renderam US$ 1,696 bilhão. Foram mais de 2,959 milhões de toneladas. A carne de frango representou 47,4% do valor vendido em 2018 para a Arábia Saudita (US$ 804 milhões e 486 mil toneladas). 

 

Texto e imagem: Assessoria de Imprensa do MAPA

Veja também

Epagri usa tecnologia para atender remotamente os agricultores catarinenses25/03 Durante a quarentena imposta pelo Decreto nº 515 do governo do Estado, a extensão rural da Epagri está atendendo de forma remota os agricultores, para evitar o deslocamento deste público até os escritórios municipais da Empresa. Assim, ao encontrar um problema na lavoura ou na criação que necessite solução urgente, ou mesmo compartilhar algo de......

Voltar para EDITORIAS