Postado em 23 de Novembro de 2018 às 17h48

Mais frango, por favor!

Avicultura (10)Opinião (5)
Revista Setor Agro & Negócios A produção de carne de frango no Paraná desempenha importante papel na oferta de saúde, nutrição e sabor nos quatro cantos do País – e até do mundo - por...
A produção de carne de frango no Paraná desempenha importante papel na oferta de saúde, nutrição e sabor nos quatro cantos do País – e até do mundo - por um preço competitivo. Ou seja, a proteína, além de ser uma das mais indicadas para consumo, por seus benefícios nutricionais, também cumpre um relevante papel social: a segurança alimentar com qualidade e sustentabilidade. Essencial lembrar que para que a carne de frango chegue a mesa da população existe muito cuidado ao longo do processo produtivo.
 
No primeiro semestre, ações desenvolvidas pelo Sindicato das Indústrias de Produtos Avícolas do Estado do Paraná (Sindiavipar) e pela Cobb-Vantress, no Estado, buscaram esclarecer exatamente esses pontos, apresentando à sociedade os principais benefícios do consumo desta proteína e as etapas que envolvem a sua produção. A “Campanha de Incentivo ao Consumo de Carne de Frango” destacou a importância da proteína em quatro temáticas: sustentabilidade, esporte, família e consumo por meio de materiais informativos e promocionais em todo o Paraná.
 
Os números consolidam as vantagens deste produto.
 
Vamos aos números
 
Sustentabilidade
A produção de frango consome em média 80% menos água, 50% menos ração e gera 60% menos resíduos que outras carnes.
 
Prática esportiva
É considerada uma carne magra. Cada filé de 100g possui apenas 1% de gordura e pouco mais de 100 quilocalorias, com isso, é possível satisfazer 31% das necessidades diárias de proteína do corpo humano.
 
Outro benefício apontado no consumo da carne de frango é o seu alto teor de niacina, que ajuda na prevenção do mal de Alzheimer, além disso é a proteína ideal para o desenvolvimento saudável de crianças e adolescentes.

              Esse conjunto de vantagens é resultado de um processo constante de melhoramento na produção, que envolve tecnologia, sanidade e bem-estar das aves. A genética é um dos principais pontos, sendo responsável por cerca de 70% do crescimento do frango. Também contribui para a produção de uma proteína de baixo custo e sustentável, com qualidade intrínseca, envolvendo sabor, textura e cheiro, baixo teor de gordura e fácil digestibilidade, destacou o diretor Geral da Cobb América do Sul, líder mundial no fornecimento de aves de produção para frangos de corte, Jairo Arenazio, durante a campanha. É importante ressaltar que a utilização de hormônios na produção avícola é proibida tanto por lei quanto pelos países importadores.
 
             No Brasil, o consumo de carne de frango por habitante gira em torno de 42kg, o que a posiciona como a preferida no país e, segundo levantamento da Agência das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), deve se tornar a proteína de origem animal mais consumida no mundo entre os anos de 2020 e 2022. Status que devemos alcançar justamente por todas essas características positivas que entregamos ao cidadão e por ser um alimento sem restrição religiosa. Nesse contexto, com a realização da Campanha, buscamos contribuir com esse avanço da proteína para o setor e o consumo.
 
O mercado interno absorve aproximadamente 65% de todo o volume de frango produzido no país. Com a confiança que temos dos brasileiros e com ações voltadas para a propagação de informações e conhecimento sobre a avicultura, vamos juntos ainda mais longe.
                    
Por Domingos Martins, presidente do Sindicato das Indústrias de Produtos Avícolas do Estado do Paraná (Sindiavipar)
 
Foto freepik.com

Veja também

Benefícios da nutrição in ovo15/04 Pouco conhecida no país, a nutrição in ovo é um sistema que injeta uma série de nutrientes no embrião do frango. O propósito dessa técnica é aumentar a qualidade de vida do animal, para que ele esteja saudável para o abate.    O Brasil é o 3º maior produtor de frangos de corte do mundo. Ao ano chega a produzir mais de......

Voltar para EDITORIAS