Postado em 23 de Novembro de 2018 às 17h48

Mais frango, por favor!

Avicultura (8)Opinião (1)
Revista Setor Agro & Negócios A produção de carne de frango no Paraná desempenha importante papel na oferta de saúde, nutrição e sabor nos quatro cantos do País – e até do mundo - por...
A produção de carne de frango no Paraná desempenha importante papel na oferta de saúde, nutrição e sabor nos quatro cantos do País – e até do mundo - por um preço competitivo. Ou seja, a proteína, além de ser uma das mais indicadas para consumo, por seus benefícios nutricionais, também cumpre um relevante papel social: a segurança alimentar com qualidade e sustentabilidade. Essencial lembrar que para que a carne de frango chegue a mesa da população existe muito cuidado ao longo do processo produtivo.
 
No primeiro semestre, ações desenvolvidas pelo Sindicato das Indústrias de Produtos Avícolas do Estado do Paraná (Sindiavipar) e pela Cobb-Vantress, no Estado, buscaram esclarecer exatamente esses pontos, apresentando à sociedade os principais benefícios do consumo desta proteína e as etapas que envolvem a sua produção. A “Campanha de Incentivo ao Consumo de Carne de Frango” destacou a importância da proteína em quatro temáticas: sustentabilidade, esporte, família e consumo por meio de materiais informativos e promocionais em todo o Paraná.
 
Os números consolidam as vantagens deste produto.
 
Vamos aos números
 
Sustentabilidade
A produção de frango consome em média 80% menos água, 50% menos ração e gera 60% menos resíduos que outras carnes.
 
Prática esportiva
É considerada uma carne magra. Cada filé de 100g possui apenas 1% de gordura e pouco mais de 100 quilocalorias, com isso, é possível satisfazer 31% das necessidades diárias de proteína do corpo humano.
 
Outro benefício apontado no consumo da carne de frango é o seu alto teor de niacina, que ajuda na prevenção do mal de Alzheimer, além disso é a proteína ideal para o desenvolvimento saudável de crianças e adolescentes.

              Esse conjunto de vantagens é resultado de um processo constante de melhoramento na produção, que envolve tecnologia, sanidade e bem-estar das aves. A genética é um dos principais pontos, sendo responsável por cerca de 70% do crescimento do frango. Também contribui para a produção de uma proteína de baixo custo e sustentável, com qualidade intrínseca, envolvendo sabor, textura e cheiro, baixo teor de gordura e fácil digestibilidade, destacou o diretor Geral da Cobb América do Sul, líder mundial no fornecimento de aves de produção para frangos de corte, Jairo Arenazio, durante a campanha. É importante ressaltar que a utilização de hormônios na produção avícola é proibida tanto por lei quanto pelos países importadores.
 
             No Brasil, o consumo de carne de frango por habitante gira em torno de 42kg, o que a posiciona como a preferida no país e, segundo levantamento da Agência das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), deve se tornar a proteína de origem animal mais consumida no mundo entre os anos de 2020 e 2022. Status que devemos alcançar justamente por todas essas características positivas que entregamos ao cidadão e por ser um alimento sem restrição religiosa. Nesse contexto, com a realização da Campanha, buscamos contribuir com esse avanço da proteína para o setor e o consumo.
 
O mercado interno absorve aproximadamente 65% de todo o volume de frango produzido no país. Com a confiança que temos dos brasileiros e com ações voltadas para a propagação de informações e conhecimento sobre a avicultura, vamos juntos ainda mais longe.
                    
Por Domingos Martins, presidente do Sindicato das Indústrias de Produtos Avícolas do Estado do Paraná (Sindiavipar)
 
Foto freepik.com

Veja também

PIB DO AGRO SOBE, MAS RESULTADO NO 1º TRIMESTRE É NEGATIVO28/06 Agricultura tem desempenho negativo no ano, enquanto pecuária teve alta.    O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio teve alta de 0,10% em março, mas nos primeiros três meses do ano o resultado foi de queda de 0,11%, segundo a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada......

Voltar para EDITORIAS