-
Postado em 26 de Março às 18h48

Garantia de abastecimento de farinha de trigo no Brasil

Grãos (59)

A Associação Brasileira da Indústria do Trigo (ABITRIGO), desde 1990, tem como missão reestruturar e integrar toda a cadeia produtiva do trigo no Brasil, estimulando as melhores práticas e compartilhando conhecimento.

Sendo a alimentação uma atividade essencial, indispensável ao atendimento das necessidades inadiáveis da comunidade, o principal foco dos Moinhos neste momento é garantir o abastecimento de toda a cadeia do trigo - supermercados, atacados, padarias, indústrias de massas, biscoitos, pães industriais e bolos e demais canais de food service. Estamos preparados para produzir farinha de trigo com toda a segurança alimentar, como sempre o fizemos. Isso permitirá que todos os fabricantes da cadeia de trigo e seus derivados possam cumprir com a importante função de alimentar toda a população.

Os estoques de matérias-primas, embalagens e materiais auxiliares estão em nível compatível com as vendas, mesmo que estejam ocorrendo aumentos de venda no curto prazo. O fluxo de recebimento destes materiais continua ocorrendo normalmente.

As empresas adotaram as melhores práticas divulgadas pelos órgãos de saúde do Brasil e do exterior, de forma a garantir a segurança de seus colaboradores e consumidores. Além do processo de industrialização do trigo ser bastante automatizado e sem intervenção manual, os procedimentos adicionais garantem a segurança alimentar dos nossos produtos. O setor está atento às principais medidas dos governos, de todos os níveis, principalmente nas que se referem ao transporte público - que afeta a movimentação de nossos colaboradores - e na circulação do transporte de cargas, que afeta tanto a distribuição dos produtos finais quanto o abastecimento de matérias-primas e insumos de produção.

Para isso é fundamental que toda a cadeia de fornecimento funcione: fornecedores de trigo, transportadores, fabricantes de embalagens e insumos, infraestrutura de alimentação, serviços e assistência aos caminhoneiros nas estradas e, sobretudo, garantir que nossa mão de obra especializada continue a trabalhar.

Quanto aos trabalhadores do setor, é importante destacar que, a exemplo dos profissionais da saúde, que estão sendo muito necessários e exigidos, nossos colaboradores estão desempenhando seu trabalho de igual valor. Suas funções estão sendo mais importantes ainda para poder continuar a alimentar toda a população.

Importante ressaltar que 60% do trigo consumido no Brasil é importado e depende do funcionamento normal dos portos brasileiros e estrangeiros.

Além do desafio que a pandemia traz a todos os setores, a grande desvalorização cambial combinada com o aumento do custo de reposição do trigo trazem grandes desafios ao setor. Essa vulnerabilidade em uma área estratégica para a sociedade brasileira tem sido permanentemente superada pela ação da indústria moageira, inclusive com estreito contato com as autoridades governamentais.

A indústria do trigo vem a público para tranquilizar a sociedade brasileira quanto ao suprimento regular da farinha de trigo para a produção de alimentos básicos do consumo nacional e quanto às cautelas que estão sendo tomadas nas atuais circunstâncias.

 

Por Rubens Barbosa, Presidente-Executivo da ABITRIGO

Veja também

Em meio a epidemia do coronavírus, começa a colheita da noz-pecã no RS13/04 Com o início da colheita de noz-pecã no Rio Grande do Sul em abril, a expectativa é de movimentação intensa nos pomares a partir das próximas semanas. As nogueiras são cultivadas em cerca de oito mil hectares nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná, o que coloca o Brasil como quarto maior produtor mundial do fruto. O solo e o clima temperado......
Milho recupera área plantada em Santa Catarina19/07/19 A recuperação da área plantada e o aumento da produtividade do milho são as grandes notícias da mais recente edição do Boletim Agropecuário, documento que apresenta as principais......
SC: Exportações do complexo soja aumentam 58% em 2019 21/03/19 A soja vem ganhando cada vez mais espaço na pauta de exportações catarinenses. Nos dois primeiros meses de 2019, o estado embarcou 229,5 mil toneladas do grão, farelo e óleo de soja – um aumento de 58% em......

Voltar para EDITORIAS