-
Postado em 08 de Outubro de 2019 às 09h16

Frigoríficos de SC exportarão subprodutos comestíveis para China

Mercado (117)

Depois de muitos anos de negociações, uma nova frente comercial se abre entre Santa Catarina e China e vai incrementar ainda mais as exportações de carne suína para o gigante asiático. A China informou o Ministério da Agricultura que habilitará novos produtos e subprodutos de carcaças suínas produzidos em estabelecimentos catarinenses.

"Essa é uma excelente notícia para a cadeia da suinocultura industrial e vai impactar positivamente o faturamento das indústrias exportadoras", avalia o gerente executivo do Sindicato das Indústrias da Carne e Derivados no Estado (Sindicarne), Jorge de Lima.

A medida beneficia de imediato as plantas industriais já habilitadas para exportar carne suína congelada para aquele país e se constitui em oportunidade de ampliar as vendas, que se mantêm em alta desde o início do ano. A China reduziu em 40% a produção interna de suínos em razão da incidência da peste suína africana (PSA) e da peste suína clássica (PSC).

De acordo com o diretor, a nova frente de negociação – considerando apenas a capacidade dos grandes grupos agroindustriais catarinenses – pode proporcionar embarques adicionais de aproximadamente 7.000 toneladas por mês toneladas de subprodutos com geração de 14 milhões de dólares ao mês em divisas. Computados os pequenos e médios exportadores, a receita mensal chega a 15 milhões de dólares, o que soma 180 milhões de dólares por ano.

Segundo comunicado do Adido na China, serão autorizadas exportações de pé de porco, língua, focinho, máscara, orelha e rabo como subproduto comestível. As habilitações para estes novos produtos poderão ser obtidas após verificação do atendimento dos requisitos chineses em auditoria do MAPA. Desta forma, não será necessária visita técnica chinesa para os estabelecimentos já habilitados.

Os estabelecimentos que desejarem obter habilitação para exportar novos produtos para China deverão satisfazer alguns requisitos. O pé e a língua de suínos devem ser provenientes de suínos nascidos, criados e abatidos no estado de Santa Catarina. Os subprodutos e derivados comestíveis de suínos devem estar de acordo com a legislação regulamentadora de ambos os países e conforme os padrões de segurança alimentar e os requisitos estabelecidos pelo protocolo bilateral assinado entre os dois países.

Desempenho

As exportações brasileiras de carne suína in natura somaram US$ 997,66 milhões de janeiro a setembro de 2019, registrando um crescimento 30%. Em volume foram embarcadas 456.758,4 toneladas no período, com variação positiva de 15%. Os dados são do Ministério da Economia, Indústria, Comércio Exterior E Serviços. O maior comprador da carne brasileira continua sendo a China que somada a Hong Kong receberam 51% de toda carne embarcada no período. Com os casos de Peste Suína Africana no país e as liberações dos estoques emergenciais de carne, o país tem aumentado as importações. Os envios para China já são quase 60% maiores na comparação com o mesmo período de 2018. Rússsia vêm na segunda posição.

Entre os estados produtores, Santa Catarina segue como maior exportador, sendo responsável por 56,7% da carne exportada. De janeiro a setembro o Estado soma US$ 565,83 milhões e registra uma variação positiva de 31,9%. O Rio Grande do Sul registrou uma variação de 35% no período e é o segundo maior exportador: foi responsável por 24,,8 % do total embarcado, somando US$ 247,6 milhões no período. Na sequência vem o Paraná com 15,5% de participação, Minas Gerais com 1,30% e Mato Grosso com 0,99%

Veja também

Agropecuária é único setor da economia com crescimento na pandemia, diz IBGE01/06 A agropecuária apresentou crescimento de 0,6% no primeiro trimestre de 2020 em comparação ao quarto trimestre de 2019, conforme dados divulgados na sexta-feira (29) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) sobre o Produto Interno Bruto (PIB) do país. O setor foi o único da atividade econômica nacional a crescer no período analisado. Em......
CNA avalia impacto do coronavírus no Brasil e Estados Unidos20/04 A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) promoveu uma transmissão ao vivo por meio do Instagram, na sexta (17), para avaliar o panorama do agronegócio brasileiro e norte-americano durante a crise do......
Economia brasileira: 2018 bem melhor que 201723/11/18 Por Felippe Serigati Pesquisador do FGV Agro e coordenador do MBA em Agronegócio da Fundação Getúlio Vargas Mesmo após um ano repleto de turbulências, notadamente do lado político, 2017 entregou a......

Voltar para EDITORIAS