Postado em 25 de Maio de 2019 às 09h54

Escolha das fêmeas é fundamental no processo de melhoramento genético

Bovinocultura (33)

Entre os critérios geralmente utilizados pela Conexão Delta G estão desempenho, biotipo funcional e padrão racial

A escolha das fêmeas no trabalho de melhoramento genético é fundamental para os resultados dos criadores. Neste sentido, a Conexão Delta G tem atuado na realização dos melhores acasalamentos para a geração de exemplares que estejam dentro dos padrões preconizados pela seleção genômica estipulada no processo das raças Hereford e Braford, nos quais os associados concentram seus plantéis.

Conforme o presidente do Conselho técnico da Conexão Delta G, Bernardo Pötter, o primeiro critério a ser utilizado para a escolha da fêmea é potencial genético, ou seja, o índice final Delta G. Destaca ainda que outros parâmetros utilizados na seleção variam de acordo com cada produtor, mas em geral são desempenho , biotipo funcional, padrão racial, entre outros itens.

O especialista observa que as fêmeas são todas manejadas a campo recebendo as mesmas oportunidades e que por causa disso é que é possível selecionar as que tem melhor desempenho. "Não existe nenhum tratamento especial, caso contrário não seria possível realizar a avaliação genética. A seleção das melhores só é possível dando as mesmas condições e oportunidades a todas e avaliando quais tiveram desempenho superior no ambiente de produção", afirma.

Sobre o período do acasalamento, Pötter ressalta que a seleção é feita quando o produtor quiser. "As avaliações genéticas são feitas geralmente no final do verão-outono. O planejamento é feito com a ajuda do software Programa de Acasalamentos Dirigidos (PAD). Ali são otimizadas e maximizadas as características de importância econômica e corrigidas eventuais deficiências em determinadas características nas vacas visando o produto final", destaca.

Completando, Pötter observa também que as fêmeas para venda são aquelas que não foram selecionadas para fazer parte do rebanho de cria, excesso de produção . "Em geral são compradas por outros produtores de genética", reforça.

 

Foto: Conexão Delta G/Divulgação
Texto: Nestor Tipa Júnior e Larissa Mamouna/AgroEffective

Veja também

Uso estratégico de selante de teto promove uma redução de 48% dos casos de mastite18/03 Um dos problemas recorrentes na produção leiteira é a incidência de mastite subclínica durante o período seco, que varia entre 45 e 60 dias entre uma lactação e outra. Este tipo de enfermidade é um dos maiores desafios enfrentados pelo setor e causa prejuízos significativos, sendo responsável por quase 70% das perdas na......

Voltar para EDITORIAS