Postado em 25 de Maio às 09h54

Escolha das fêmeas é fundamental no processo de melhoramento genético

Bovinocultura (17)

Entre os critérios geralmente utilizados pela Conexão Delta G estão desempenho, biotipo funcional e padrão racial

A escolha das fêmeas no trabalho de melhoramento genético é fundamental para os resultados dos criadores. Neste sentido, a Conexão Delta G tem atuado na realização dos melhores acasalamentos para a geração de exemplares que estejam dentro dos padrões preconizados pela seleção genômica estipulada no processo das raças Hereford e Braford, nos quais os associados concentram seus plantéis.

Conforme o presidente do Conselho técnico da Conexão Delta G, Bernardo Pötter, o primeiro critério a ser utilizado para a escolha da fêmea é potencial genético, ou seja, o índice final Delta G. Destaca ainda que outros parâmetros utilizados na seleção variam de acordo com cada produtor, mas em geral são desempenho , biotipo funcional, padrão racial, entre outros itens.

O especialista observa que as fêmeas são todas manejadas a campo recebendo as mesmas oportunidades e que por causa disso é que é possível selecionar as que tem melhor desempenho. "Não existe nenhum tratamento especial, caso contrário não seria possível realizar a avaliação genética. A seleção das melhores só é possível dando as mesmas condições e oportunidades a todas e avaliando quais tiveram desempenho superior no ambiente de produção", afirma.

Sobre o período do acasalamento, Pötter ressalta que a seleção é feita quando o produtor quiser. "As avaliações genéticas são feitas geralmente no final do verão-outono. O planejamento é feito com a ajuda do software Programa de Acasalamentos Dirigidos (PAD). Ali são otimizadas e maximizadas as características de importância econômica e corrigidas eventuais deficiências em determinadas características nas vacas visando o produto final", destaca.

Completando, Pötter observa também que as fêmeas para venda são aquelas que não foram selecionadas para fazer parte do rebanho de cria, excesso de produção . "Em geral são compradas por outros produtores de genética", reforça.

 

Foto: Conexão Delta G/Divulgação
Texto: Nestor Tipa Júnior e Larissa Mamouna/AgroEffective

Veja também

Produtores de carne investem na criação de novilhos precoces10/09 Tradicionalmente o abate de bovinos na indústria brasileira de carnes se dá quando o animal tem mais de 36 meses. Atendendo ao mercado consumidor, agricultores estão investindo no sistema de produção de novilhos precoces, em que os animais são entregues ao frigorífico com até 30 meses. Com um mercado consumidor cada vez mais exigente, a carne de Santa......
Ordenha robotizada reduz mão de obra na produção leiteira28/03 O processo de ordenha tem se modernizado nos últimos anos. O que antigamente era um trabalho totalmente manual vem se automatizado. Uma das novidades tecnológicas é a ordenha robótica que, atualmente, está presente em cerca......
Primeiro Bovicorte terá leilão com 500 animais23/04 Chapecó recebe neste sábado (27), das 8h às 20h, a primeira edição do Bovicorte do Programa de Assistência Técnica e Gerencial (ATeG) – Exposição de Animais, Máquinas, Equipamentos e......

Voltar para EDITORIAS