-
Postado em 13 de Abril às 21h19

Em meio a epidemia do coronavírus, começa a colheita da noz-pecã no RS

Grãos (61)

Com o início da colheita de noz-pecã no Rio Grande do Sul em abril, a expectativa é de movimentação intensa nos pomares a partir das próximas semanas. As nogueiras são cultivadas em cerca de oito mil hectares nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná, o que coloca o Brasil como quarto maior produtor mundial do fruto. O solo e o clima temperado do Sul do Brasil são ideais para o cultivo da planta.

Enquanto nos pomares os frutos estão em fase final de maturação, na indústria os preparativos de higiene e prevenção estão sendo finalizados, para o início da seleção e processamento dos frutos colhidos.

O Diretor da Associação Brasileira de Nozes, Castanhas e Frutas Seca (ABNC), Edson Ortiz destaca que o cenário é delicado em todo mundo, porém é necessário que algumas atividades sigam funcionando, mas com todos os cuidados recomendados pela OMS. Ortiz, que também é diretor da Divinut, maior compradora de noz-pecã da América do Sul, ressalta que o momento é de reforçar as parcerias locais.

“Vivemos momentos de incertezas onde nunca foi tão importante a parceria e a fidelidade nas relações. Precisamos usar estratégias para garantir uma operação contínua do negócio rural. Ao negociar com os nossos clientes oferecemos a certeza de que sempre poderá contar com conosco”, afirma o dirigente.

Com sede em Cachoeira do Sul, onde possui o maior viveiro de mudas de nogueira-pecã em raiz coberta do mundo, a Divinut é uma das grandes beneficiadoras do fruto do Brasil, com ampla variedade de opções de frutos inteiros, aos pedaços, doces e salgados.

“Atendemos o mercado do centro do país e internacional, a demanda é certa, por isso conseguimos oferecer uma remuneração muito vantajosa para o produtor. Contamos com os melhores preços do mercado para frutos de qualidade”, garante Ortiz. Entre os fatores que podem afetar o preço, estão a umidade, a presença de impurezas e o aproveitamento da polpa em relação à espessura da casca.

Atuando há duas décadas em um mercado que cresce de 20% a 30% ao ano, a expectativa da Divinut é ampliar a atuação nos três estados do Sul, onde já conta com mais de 1.400 fornecedores cadastrados. Além da compra da produção, o Sistema Divinut de Parceria também assegura aos produtores rurais assistência continuada em todas as etapas, planejamento do plantio, mudas registradas e aperfeiçoamento da produção.

“Temos condições de atender muito bem produtores de noz-pecã em regiões tão diferentes como Santa Maria, na região central do Rio Grande do Sul, Chapecó, no Oeste Catarinense, Cascavel, no Paraná e os municípios da Região Metropolitana de Porto Alegre”, finaliza.

Revista Setor Agro & Negócios Panorama da safra 2020 O Brasil, que há pouco se tornou o 4º maior produtor de noz-pecã do mundo, deve registrar uma safra da fruta menor em 2020. O motivo, seriam as horas de frio a menos do...

Panorama da safra 2020

O Brasil, que há pouco se tornou o 4º maior produtor de noz-pecã do mundo, deve registrar uma safra da fruta menor em 2020. O motivo, seriam as horas de frio a menos do que as nogueiras precisam, somado a muita chuva no período de polinização nos meses de setembro e outubro, seguida da estiagem na hora do enchimento do grão. Tudo isso, deve se refletir nos números finais da safra, como explica Ortiz.

“A safra de 2019, que chegou a 3.500 toneladas, colocou o Brasil no ranking mundial da produção da fruta, atrás apenas México, EUA e África do Sul. No entanto, a sazonalidade da cultura e outros fatores devem baixar a produtividade”, afirma.

De acordo com dados da Secretaria de Agricultura do RS, a área cultivada no estado é de 6,5 mil hectares. Devido a essa alternância na produtividade, a safra de 2021 deve apresentar melhores resultados, com um manejo mais criterioso e planta e solo mais equilibrados. Atualmente o Rio Grande do Sul é o maior produtor e beneficiador de noz-pecã do Brasil.

 

Com informações Assessoria de Comunicação Divinut

Veja também

Embarques de milho somam US$ 1,34 bi em agosto, alta de 169,2%13/09/19 Com uma safra recorde de cerca de 100 milhões de toneladas de milho, as exportações do cereal foram recorde em agosto deste ano e atingiram US$ 1,34 bilhão no período (+169,2%) e também em quantidade embarcada com 7,6 milhões de toneladas (+170,5%). O recorde anterior para os meses de agosto ocorreu em 2017, quando o país exportou 5,3 milhões de......
Pulse no prato10/09O feijão é o pulse mais consumido no Brasil. Os estados do Paraná e Mato Grosso lideram a produção. Segundo o Instituto Brasileiro do Feijão e Pulses (Ibrafe) O típico prato brasileiro, arroz e feijão, é composto por um pulse. O nome não é popular, mas vem do latim puls, que significa "sopa grossa". De fato os pulses - feijões, lentilhas, grão de bico e......
Como potencializar o desempenho das sementes de milho28/07 O tratamento de sementes contribui, cada vez mais, com a proteção inicial do plantio de milho, assegurando o estabelecimento da cultura e potencializando os ganhos de produtividade. Um bom tratamento de sementes atualmente, além de......

Voltar para EDITORIAS