-
Postado em 19 de Janeiro às 23h00

Em 2020, mercado agro se digitalizou

+ Agro (72)

Com pandemia, mercado avançou rumo à digitalização e intensificou uso plataformas digitais, aponta especialista

A pandemia mundial causada pelo covid-19, a sanção da Lei do Agro no Brasil e a desburocratização do acesso ao crédito fizeram de 2020 o ano em que o mercado agro nacional caminhou a passos largos rumo à digitalização. Apenas na agtech Bart Digital (www.bartdigital.com.br), as CPRs (Cédula de Produto Rural) eletrônicas movimentam R$ 3,2 bilhões durante a pandemia.

Os impactos foram grandes para todos os players do mercado agro. Alguns cartórios deixaram de realizar atendimentos presenciais e o registro eletrônico foi a única alternativa para a formalização das garantias agrícolas. Além disso, com o distanciamento social, o produtor rural passou a ficar mais na fazenda, limitando seu deslocamento para coleta de assinaturas em punho e registros em balcão de cartórios", explica Mariana Bonora, CEO da Bart Digital.

Após sete meses de operação, a plataforma Ativus, da Bart Digital, chegou a 13 estados com a formalização eletrônica de garantias para as culturas de soja, milho, algodão e café, da safra 2020/2021, movimentando R$ 3,2 bilhões em poucos meses. Para contribuir com a continuidade das operações de financiamento ao produtor rural e garantir que os insumos chegassem ao campo, a Bart Digital antecipou o lançamento da ferramenta para viabilizar a emissão e registros de recebíveis completamente eletrônicos.

Ainda em linha com a nova legislação, a agtech também oferece aos seus clientes a possibilidade de realizar o registro centralizado de suas cédulas. "O desafio agora é disponibilizar uma interface simples e amigável para que todos os elos da cadeia agrícola possam adequar seus recebíveis à nova regulamentação", conclui a especialista. Na prática, qualquer pessoa ou entidade interessada pode usufruir do sistema Ativus que, atualmente, já possui usuários de perfis diversificados, como indústrias, revendas, cooperativas, instituições financeiras e securitizadoras.


Sobre a Bart Digital

Pioneira na emissão de e-CPR (Cédula de Produto Rural eletrônica), a Bart Digital (www.bartdigital.com.br) é uma agtech fundada em 2016
que visa oferecer soluções digitais voltadas ao financiamento agrícola. A empresa é dirigida por sua fundadora, a advogada Mariana Bonora, que também é membro da Diretoria da ABFintechs (Associação Brasileira de Fintechs).

A Bart Digital dispõe de automação de processos, contratos digitais, monitoramento de culturas e de um centro de serviços relacionados para tornar o desembolso de crédito mais rápido e transparente. Suas iniciativas também reduzem o risco de desempenho através de rastreabilidade e monitoramento ativo, tudo de forma ágil, transparente e segura.

 

Texto: Hafiki Comunicação

Imagem: Google imagens

Veja também

Internet das coisas é testada em irrigação de precisão20/02/20 Pesquisadores brasileiros e europeus estão instalando sensores em experimentos-piloto e construindo uma plataforma computacional para a gestão inteligente da irrigação de precisão, baseada em internet das coisas (IoT, na sigla em inglês). Os testes localizados no Brasil, Espanha e Itália são conduzidos pela pesquisa internacional Smart Water Management Platform......
Produtores rurais poderão aderir ao programa de renegociação de dívidas até 29 de dezembro08/11/20A Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional lançou esta nova modalidade para auxiliar o setor agropecuário durante a crise econômica provocada pela pandemia Produtores rurais, pessoas físicas ou jurídicas, inclusive os agricultores familiares, terão até 29 de dezembro para renegociar débitos inscritos na Dívida Ativa da União com descontos de até 100% nas......

Voltar para EDITORIAS