Postado em 23 de Novembro de 2018 às 17h40

Economia brasileira: 2018 bem melhor que 2017

Mercado (43)
Por Felippe Serigati
Pesquisador do FGV Agro e coordenador do MBA em Agronegócio da Fundação Getúlio Vargas

Mesmo após um ano repleto de turbulências, notadamente do lado político, 2017 entregou a economia brasileira para o ano de 2018 em uma situação bem melhor do que aquela que ele recebeu do ano de 2016. Enquanto começamos o ano passado com a economia encolhendo 2.5% a.a. (contração do 4º trimestre de 2016), iniciamos 2018 crescendo 2.1% a.a. (expansão do 4º trimestre de 2017). Ou seja, apesar de todas as adversidades, diversas variáveis apresentaram melhoras bastante significativas ao longo de 2017, tais como, PIB, inflação, taxa de juros, risco país, produção industrial, volume de vendas do comércio varejista, etc. Embora algumas variáveis ainda não tenham reagido satisfatoriamente, como o mercado de trabalho, o volume de atividade do setor de serviços e, principalmente, as contas públicas, os avanços observados, apesar de lentos, têm se mostrado sólidos.
Por trás desses números favoráveis, há, de um lado, o desempenho excepcional do agronegócio brasileiro e, por outro, a expectativa de continuidade da agenda de reformas que, infelizmente, pode mudar rapidamente a depender da evolução do quadro eleitoral de 2018. Enfim, a situação está melhorando, porém, diversos eventos ao longo desse ano, com especial destaque para as eleições, podem reverter parte importante desses avanços.
Agronegócio: o principal setor que fez a economia crescer em 2017
Certamente, o ano de 2017 ficou registrado como um dos melhores para o agronegócio brasileiro. Devido à ótima safra 2016/2017, o PIB das atividades agropecuárias cresceu 13.0% ano passado – é a maior taxa de crescimento registrada nas séries históricas do IBGE. Enquanto isso, o setor industrial ficou estagnado e o setor de serviços cresceu levemente (0.2%). Dessa forma, a expansão de 1.0% para a economia brasileira terá sido resultado, em termos agregados, quase que exclusivamente do forte crescimento do agronegócio nacional.
Expansão de 2017 e projeção para 2018 para o PIB do Brasil e dos principais setores econômicos
Revista Setor Agro & Negócios Fonte: IBGE e Banco Central do Brasil Se, por um lado, o ano de 2018, não deve reservar um desempenho tão forte para as atividades agropecuárias, por outro, os demais setores da economia...

Fonte: IBGE e Banco Central do Brasil

Se, por um lado, o ano de 2018, não deve reservar um desempenho tão forte para as atividades agropecuárias, por outro, os demais setores da economia brasileira, após três anos, finalmente, devem voltar a crescer com força. Em outras palavras, com a contribuição dos seus três grandes setores (não apenas do agronegócio), em 2018, há a projeção de que a economia brasileira volte a crescer de forma minimamente robusta (2.9%). Embora essa seja uma perspectiva muito boa, é necessário estarmos atentos aos desdobramentos do quadro eleitoral de 2018. Pois, a sinalização de que a agenda de reformas pode ser sido perdida, levará à reversão de parte dos ganhos obtidos até o momento.

Revista Setor Agro & Negócios Foto César Machado/Agrostock Legenda: Recorde de safra em 2016/2017 motivou o crescimento do PIB Agropecuário registrada em 13%

Foto César Machado/Agrostock
Legenda: Recorde de safra em 2016/2017 motivou o crescimento do PIB Agropecuário registrada em 13%

Veja também

China abre mercado para lácteos brasileiros, anuncia Tereza Cristina24/07 A China abriu mercado para os produtos lácteos brasileiros. Os chineses habilitaram 24 estabelecimentos brasileiros para exportação de produtos como leite em pó e queijos. O anúncio foi feito pela ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, nesta terça-feira (23). A ministra destacou que a abertura do mercado irá impulsionar a......

Voltar para EDITORIAS