-
Postado em 08 de Abril de 2020 às 14h45

Doenças respiratórias bovinas: um desafio para o sistema de confinamento brasileiro

Artigos técnicos (41)

O momento é propício para o desenvolvimento do setor de bovinocultura de corte– a peste suína africana (PSA) que assola a China desde o ano passado e o consequente aumento da demanda mundial por carne são alguns fatores importantes que justificam o crescimento de produção e de exportação da carne brasileira.

Para aproveitar esta oportunidade de forma mais eficiente e lucrativa, o sistema de confinamento, certamente, se apresenta como uma boa alternativa. Como um dos principais atores deste mercado, o Brasil tem hoje cerca de 5,6 milhões de cabeças de gado sob este sistema, sendo as regiões sudeste e centro-oeste as de maiores concentrações.

De acordo com o último levantamento do Serviço de Informação de Mercado (SIM), da DSM, o número (referente a 2019) representa um crescimento de 2% em relação ao ano anterior e 10,7% superior ao rebanho confinado em 2015, quando a empresa começou a fazer o levantamento.

Revista Setor Agro & Negócios Ainda que esta modalidade se mostre como uma boa opção para incrementar a produção, é necessário considerar os desafios inerentes ao aumento da concentração de...

Ainda que esta modalidade se mostre como uma boa opção para incrementar a produção, é necessário considerar os desafios inerentes ao aumento da concentração de animais e principalmente à sanidade. Fatores como: transporte, aglomeração, mudança de ambiente, alteração de dieta e poeira causam estresse nos animais, reduzem a imunidade e tornam o ambiente propício ao aparecimento de doenças virais e bacterianas.

Para se ter uma ideia do problema, as doenças respiratórias são responsáveis por 75% das enfermidades em confinamento e causam 50% das mortes. Hoje, a pneumonia é a doença de maior importância nos confinamentos brasileiros.

Animais diagnosticados com a doença ou ainda que a apresentem na forma subclínica (sem sinais clínicos) têm menor desempenho e podem deixar de ganhar até 26 Kg durante o período de confinamento.

Em um mercado cada vez mais exigente e de margens estreitas é inaceitável que tenhamos este tipo de perda. Por isso, é necessária a adoção de protocolos sanitários com produtos que atendam a todos estes desafios.

Imunizar o rebanho contra a pneumonia e outras doenças respiratórias de maior prevalência é a melhor e mais eficiente medida para garantir a saúde e a lucratividade do sistema. Independentemente do "efeito china", e do momento oportuno com as altas nos preços da arroba, os pecuaristas precisam estar conscientes de que os investimentos em tecnologia para aumentar a produtividade são duradouros, visto que a expansão da cadeia de carne pelo mundo está cada vez mais fortalecida e a demanda global por carne só tende a crescer nos próximos anos.

 

Por Everton Carvalho, Gerente Técnico de Bovinos e Equinos da Zoetis

Veja também

Ovo: o super alimento14/10 Rafael Barbosa de Souza*   Do ponto de vista nutricional, o ovo é, sem dúvidas, um alimento completo – ficando atrás apenas do leite materno – além de ser a proteína de maior valor biológico que existe por apresentar muitos dos nutrientes que o nosso organismo precisa. Essa afirmativa está estabelecida entre médicos, nutricionistas e a......
Contaminação microbiológica em fábricas de ração de aves: como controlar?07/04A aplicação de controles eficientes e um programa de Boas Práticas de Fabricação (BPF) são fundamentais nas fábricas de ração O mercado da avicultura no Brasil está inserido em um panorama econômico mundial bastante positivo. O país é considerado um grande polo produtor, em virtude das condições de área, situação......
Mycoplasma hyopneumoniae em uma visão contemporânea22/11/19 Os antígenos de superfície ao redor da membrana lipídica do Mycoplasma se ligam nos receptores do trato respiratório do suíno, resultando na presença persistente deste microrganismo nas vias aéreas dos......

Voltar para EDITORIAS