Postado em 23 de Novembro de 2018 às 16h58

Devon

Bovinocultura (14)

Fertilidade e alto rendimento

A raça de origem inglesa é famosa pela tranquilidade no manejo e pela adaptação em diversos climas, além do sabor excepcional da carne produzida.
 
Um temperamento suave e animais extremamente dóceis. A preferência por bovinos da raça Devon poderia ser por conta disso, mas as qualidades vão muito além. A estrutura equilibrada e as linhas harmoniosas contribuem para a ótima cobertura de gordura e excelente relação carne-músculo desta raça.
Raça inglesa e indígena, que leva esse nome por ser originária do condado de Devonshire, no sudoeste da Inglaterra, é considerada uma das mais antigas do Reino Unido. No Brasil, os primeiros exemplares puros de origem Devon chegaram em 1906, primeiro em Pedras Altas e depois em Alegrete, ambas no Rio Grande do Sul. O rebanho brasileiro de Devon é estimado em 200 mil cabeças, sendo que 150 mil estão localizadas no Rio Grande do Sul, destes aproximadamente 20 mil animais são puros de origem (PO), de acordo com a Associação Brasileira de Criadores de Devon (ABCD).
Com alta fertilidade, as fêmeas são muito prolíferas, com desmame de terneiros sadios e pesados. Também são rústicas e dotadas de alta capacidade leiteira.  
Já os machos, muito utilizados para serviço, também destacam-se pelo grande potencial de conversão de pasto em carne de qualidade. Esses animais ainda conseguem suportar tanto frio e umidade, quanto calor e seca, por conta de sua alta adaptabilidade. Naturalmente, são de pastagens fracas e fibrosas, contudo, apresentam um ótimo desempenho se as demandas nutricionais forem supridas através de outras fontes. O reprodutor Devon gera um terneiro com maior resistência a doenças, que não oferece problemas de parto, pois são pequenos ao nascer, além de serem animais dóceis.
Ele pode ser criado puro ou cruzado com outras raças, apresentando uma precocidade sexual e também de acabamento, com um excelente rendimento em sua carne, sendo considerada uma das melhores do mundo.
 
A carne Devon
Os bovinos Devon ainda podem produzir animais com mais de 300kg de carcaça, com um rendimento acima de 50%, de acordo com o sistema de produção adotado. Ainda é possível a criação de novilhos super precoces suplementados a pasto, com peso vivo superior a 450kg e rendimento também na faixa de 50%. 
            O Frigorífico São João, localizado em São João do Itaperiú, no litoral catarinense, foi o primeiro do país a conseguir certificação para o abate dessa raça. A carne se destaca pela “maciez, suculência e sabor”, nas palavras do próprio frigorífico. Essa certificação garante ao consumidor a qualidade da carne e a diferenciação sensorial da Carne Devon. Ela ainda apresenta uma boa marmorização, fibra fina e sabor especial. Para serem recebidos no abate, machos castrados ou fêmeas, precisam ter até 2 anos de idade, com um percentual de gordura mínimo de três milímetros, pelo menos 50% de sangue da raça e conformidade de carcaça.
 
A reprodução da raça
A ABCD fala que são várias as centrais com reprodutores Devon com uma venda permanente de sêmen. A venda de reprodutores e de matrizes também é constante durante todo o ano por muitas cabanhas. Há também diversos leilões da raça, principalmente em feiras como a Expointer, no Rio Grande do Sul e também em Santa Catarina, dentre os quais o mais exponencial é o Top Devon, realizado nos dois Estados.
Principais características dos bovinos da Raça Devon
Cabeça: As narinas devem ser altas e abertas, com focinho largo e cor de carne, livre de qualquer tonalidade azulada ou preta. Os olhos são proeminentes, vivos e brilhantes. As orelhas, de tamanho e espessura médios, franjadas de cabelos, são finas nas fêmeas.
Pescoço: O pescoço deve ser médio no comprimento. Musculoso e sem papada exagerada nos machos e um tanto descarnada nas fêmeas.
Peito: Largo e profundo. Leve na região das paletas, com pouca barbela e sem acúmulo de gordura.
Dorso: Reto, longo, nivelado com lombo largo e cheio. Quadris de mediana largura, bem providos de carne e nivelados com a linha do lombo.
Garupa e Picanha: Longa. Cheia nos machos e moderadamente carnuda nas fêmeas.
Pernas dianteiras: De ossatura forte, retas e separadas, são musculosas e cheias na parte superior. Os cascos devem ser fortes e sólidos, com ausência de coloração preta.
Pernas traseiras: Bem aprumadas, retas, com boa ossatura e boa separação de garrões. Cascos normais, não crescidos, de maneira a não se arrastarem ao caminhar e sem coloração preta.
Úbere: Não carnudo, avançando tanto para a frente como para trás, em alinhamento com a barriga. As tetas devem estar em esquadro e não ter tamanho grande demais.
Fonte: Associação Brasileira de Criadores de Devon
 
Foto Alexandre Teixeira
Revista Setor Agro & Negócios Fertilidade e alto rendimento A raça de origem inglesa é famosa pela tranquilidade no manejo e pela adaptação em diversos climas, além do sabor excepcional da carne...

Veja também

Agricultura catarinense pode perder competitividade09/02 Reunidas na Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (Faesc), em Florianópolis, entidades de representação da agricultura e do agronegócio catarinense decidiram reivindicar ao governador Carlos Moisés da Silva a revogação dos decretos publicados no final da Administração estadual anterior. Aquelas medidas......

Voltar para EDITORIAS