Postado em 13 de Setembro às 09h53

Cooperativas alavancam agronegócio no Paraguai

Forum do Agro (2)
O Paraguai tem apresentado nesta década um crescimento econômico acima da média na América do Sul. Grande parte desta evolução deve-se ao agronegócio. Desde 2010, o país registra crescimento econômico médio acima de 5%, enquanto a participação do agronegócio no PIB (Produto Interno Bruto) paraguaio já é de 15%, conforme estudo da Bain & Co.
 
Assim como no Brasil, o sistema cooperativista é muito importante para o agronegócio do Paraguai. Regiões altamente produtivas e que tem na agricultura sua base econômica, Alto Paraná, Itapúa e  Canindeyú , concentram importantes cooperativas do país, que juntas, formam a Central Nacional de Cooperativas Ltda (Unicoop).  São oito cooperativas filiadas que somam cerca de 5,8 mil cooperados e uma superfície agrícola de aproximadamente 350 mil hectares, com uma produção anual de 1,8 milhão de toneladas de soja, trigo, milho, girassol e canola.
 
O presidente da Unicoop, Rubén Zoz, explica que os principais objetivos da Central são canalizar as compras de insumos e a venda da produção de forma conjunta, a fim de conseguir melhores preços; instalar estrutura agroindustrial com o objetivo de transformar a matéria prima produzida; e obter recursos econômicos de instituições públicas ou privadas, nacionais e internacionais, para o financiamento de programas de produção agropecuária e agroindustrial. Conforme ele, cinco projetos são desenvolvidos pela Unicoop, visando auxiliar as cooperativas filiadas.
 
Cooperativas que formam a Unicoop
Cooperativa
Estado 
Associados
Colonias Unidas              
Itapúa
3.637
Pindó                   
Alto Paraná
661
Naranjito                           
Itapúa
472
Coopasam
Alto Paraná
297
Raúl Peña
Alto Paraná
261
Copronar
Alto Paraná
235
Unión Curupayty
Alto Paraná
177
Cooperalba
Canindeyú
150
Fonte: Unicoop (Central Nacional de Cooperativas Ltda)
 
Copronar em franco crescimento
Uma das cooperativas paraguaias que tem apresentado grande desenvolvimento é a Cooperativa de Producción Agropecuaria Naranjal Ltda (Copronar). Fundada em fevereiro de 1992 em Naranjal, município de 10 mil habitantes no Departamento de Alto Paraná, há 83 km de Cidade Del Leste e há pouco mais de 100 km da fronteira com o Brasil, a Copronar está localizada no epicentro de uma das novas ordens econômicas mundiais, a ligação do Atlântico ao Pacífico, um grande corredor logístico que nasceu para proporcionar muitas oportunidades.
Os imigrantes estão cada vez mais presentes na região e Naranjal tem potencial para ser o centro do novo polo econômico. O presidente da Copronar, Darci Bortoloso comenta que a cooperativa é formada por 235 associados e 140 funcionários, e comercializa, principalmente, soja, milho, trigo, aveia e canola. A área de produção da cooperativa é de 22 mil hectares e o faturamento anual gira em torno de U$ 70 milhões. “No Paraguai, as cooperativas apresentam crescimento constante, ajudando no desenvolvimento das agroindústrias”, resume ele.
Foto copronar
Crédito ASSESSORIA DE IMPRENSA
LEGENDA: Com área de produção de 22 mil hectares, faturamento anual da Copronar chega a U$ 70 milhões
A consolidação da Rota do Milho, que vai integrar Brasil, Argentina e Paraguai, através da desburocratização das fronteiras, empolga a Copronar. O objetivo da cooperativa é produzir com qualidade e melhor preço e também com sustentabilidade. “Nosso maior desafio é a transformação da matéria prima em um produto final”, ressalta. Com isso, a Copronar inaugurou, em 2017, a Indústria de Óleo de Canola Copordini S.A., que tem capacidade de processamento anual de 20 mil toneladas de canola, da qual se extrai 8 mil toneladas de óleo.
O produto é comercializado nos países do Mercosul, enquanto outras 13 mil toneladas de farelo são vendidas internamente. Bortoloso explica que as cooperativas no Paraguai estão desenvolvendo uma contribuição positiva ao crescimento econômico do país, com o objetivo de torná-lo mais igualitário e estável. “Nosso sistema é de justiça social mais participativa, com destaque ao bem-estar de seus sócios, alcançando um equilíbrio do meio ambiente. Somos umas das maiores criadoras de postos de trabalho, tanto diretos como indiretos”, finaliza.
Foto copronar 1
Crédito ASSESSORIA DE IMPRENSA
Legenda: “Nosso sistema é de justiça social mais participativa, com destaque ao bem-estar dos sócios, alcançando um equilíbrio do meio ambiente”, Darci Bortoloso,  presidente da Copronar
 
 
Pindó – Segunda maior cooperativa do Paraguai
Localizada em San Cristóbal, Alto Paraná, a Cooperativa de Producción Agropecuaria Pindó Ltda. foi fundada em agosto de 1981,  produz e processa soja, milho, trigo e canola. Romualdo Zocche, presidente da Pindó, explica que as cooperativas representam 60% da produção agropecuária do país. Com quase 700 associados, 2 mil clientes e 300 funcionários, os esforços da cooperativa são para difundir tecnologias e qualidade de vida nos âmbitos econômico, social e ambiental, e desenvolver a logística nas áreas de atuação e abrangência da empresa.
Segunda maior cooperativa do Paraguai, a Pindó tem uma área cultivada de 50 mil hectares, chegando a 300 mil toneladas de soja, 140 mil toneladas de milho, 60 mil toneladas de trigo e 5 mil toneladas de canola processadas por ano. Zocche ressalta que a cooperativa tem a missão de proporcionar desenvolvimento na região e aos associados, conquistando clientes com a qualidade de seus produtos. “A Pindó busca trazer progresso aos seus associados e crescimento para toda a região, sempre primando pela ajuda mútua entre os associados”.
Foto Pindo
Crédito Assessoria de Imprensa
 
Principais produtos exportados pelos paraguaios
 - Algodão
- Cana
- Soja
- Milho
- Tabaco,
- Mandioca
- Frutas
 
Destinos
- Brasil
- Argentina
- Rússia
- Itália

Veja também

Agro Sem Fronteiras13/09 Investir no Paraguai. Por onde começar? A cada 10 indústrias instaladas no Paraguai, 7 são de brasileiros. Muitos empresários buscam no país vizinho a retomada da competividade. A carga tributária e encargos trabalhistas são dois importantes fatores que determinam o avanço na fronteira. Para dar continuidade as ações do projeto Agro Sem......

Voltar para EDITORIAS