-
Postado em 27 de Fevereiro às 08h40

CNA discute reforma tributária e os impactos para o agro

+ Agro (22)

A Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) participou, na quarta (19), do seminário “Tributação no Agro: Aspectos da Competitividade”, promovido pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), com a presença da ministra Tereza Cristina e de representantes do setor produtivo.

O vice-presidente da CNA, Mário Borba, representou a entidade na abertura do encontro e destacou a importância do tema. “Foi uma oportunidade para discutir e continuar defendendo o agro. Acreditamos no desempenho das nossas bancadas e confiamos no Congresso Nacional para que o agro não sofra com as mudanças e não seja prejudicado com a reforma tributária que está para acontecer”, afirmou.

O Legislativo debate no momento duas propostas de reforma tributária, a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) n? 45, da Câmara, e a PEC nº 110, do Senado. “Esse debate é muito importante para que o agro possa chegar na reforma tributária, quiçá também na administrativa, com propostas que sejam importantes para nós,” destacou a ministra Tereza Cristina.

Para ela, o Brasil é um dos poucos países que está crescendo enquanto a economia mundial desaquece e isso está acontecendo graças à confiança internacional no País.

O coordenador do Núcleo Econômico da CNA, Renato Conchon, fez uma apresentação sobre tributação e afirmou que as duas PECs que tratam do tema no Congresso trazem impactos para o setor agropecuário brasileiro.

“Por isso, a CNA vem se debruçando sobre o tema há muito tempo. Desde 2017 estamos trabalhando com agentes de diversos setores para criarmos princípios e diretrizes de uma reforma tributária que atenda as necessidades do setor, minimize a insegurança jurídica e traga estabilidade para o produtor rural”, disse.

Segundo Conchon, o cenário ideal para o setor seria uma redução na carga tributária, mas devido ao cenário fiscal do País, essa solução não é viável no momento.

“Estamos trabalhando para que não haja aumento na carga tributária setorial porque o produtor rural e o setor agropecuário brasileiro não estão dispostos a pagar mais tributos do que já vem pagando hoje. Também defendemos a racionalização e a simplificação do sistema, porque será isso que irá alavancar o setor agropecuário brasileiro nos próximos anos, especificamente nos aspectos tributários.”

 

Com informações Assessoria de Comunicação CNA

Veja também

Outono pode ter fraca incidência do El Niño, prevê Inmet19/03 A previsão do outono, que começa na madrugada desta sexta-feira (20), indica neutralidade do fenômeno El Niño (diminuição da temperatura da superfície das águas do Oceano Pacífico). De acordo com informações do Prognóstico Climático de Outono Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), a probabilidade de ocorrência do......
Internet das coisas é testada em irrigação de precisão20/02 Pesquisadores brasileiros e europeus estão instalando sensores em experimentos-piloto e construindo uma plataforma computacional para a gestão inteligente da irrigação de precisão, baseada em internet das coisas (IoT, na......

Voltar para EDITORIAS