-
Postado em 03 de Novembro de 2020 às 23h16

Cerca de 70 milhões de animais devem ser vacinados contra febre aftosa em novembro

Bovinocultura (48)

Bovinos e bubalinos com até 2 anos de idade devem ser imunizados, conforme o Calendário Nacional de Vacinação

A segunda etapa da vacinação contra a febre aftosa acontece neste mês de novembro para imunização de bovinos e bubalinos com até 2 anos de idade, para a maioria dos estados brasileiros, conforme o Calendário Nacional de Vacinação 2020. Ao todo, espera-se imunizar cerca de 70 milhões de animais, até o final de novembro.

“Tão importante quanto a vacinação correta é também o preenchimento completo da declaração de vacinação e entrega online ou, quando não for possível, presencialmente nos postos designados pelo serviço veterinário estadual nos prazos estipulados, para que a declaração possa ser registrada e o produtor possa cumprir com os compromissos sanitários junto ao órgão de defesa sanitária animal de seu estado”, destaca o chefe da Divisão de Febre Aftosa da Secretaria de Defesa Agropecuária, Diego Viali dos Santos.

As vacinas devem ser adquiridas nas revendas autorizadas e mantidas entre 2°C e 8°C, desde a aquisição até o momento da utilização – incluindo o transporte e a aplicação, já na fazenda. Devem ser usadas agulhas novas para aplicação da dose de 2 ml na tábua do pescoço de cada animal, preferindo as horas mais frescas do dia, para fazer a contenção adequada dos animais e a aplicação da vacina.

Em casa de dúvidas, a orientação é para que procurem o órgão de defesa sanitária animal de seu estado.



Plano Estratégico

Criar e manter condições sustentáveis para garantir o status de país livre da febre aftosa e ampliar as zonas livres de febre aftosa sem vacinação é o objetivo principal do Plano Estratégico do Programa Nacional de Vigilância para a Febre Aftosa (Plano Estratégico 2017-2026 do Pnefa).

Para isso, o Departamento de Saúde Animal da Secretaria de Defesa Agropecuária, com a colaboração de profissionais de diversos órgãos de defesa sanitária animal dos estados, publicou dois documentos: o Manual de Investigação de Doença Vesicular e o Plano de Contingência para Febre Aftosa.

O manual estabelece os procedimentos técnicos que devem ser realizados pelos médicos veterinários oficiais das 27 unidades da Federação, quando da suspeita de uma doença com sintomatologia clínica compatível com a febre aftosa. Esse documento harmoniza os procedimentos que devem ser adotados em todo país e os atualiza quanto às mais recentes diretrizes internacionais sobre o tema.

Já o plano de contingência para febre aftosa descreve todos os procedimentos que devem ser realizados quando da confirmação de um foco de febre aftosa no país. O documento pode ser utilizado em simulados da ocorrência de um foco para treinamento constante dos médicos veterinários. A descrição dos procedimentos faz com que o país esteja preparado e tenha uma resposta padronizada e mais eficiente no caso da reintrodução da doença no país, principalmente nessa fase de ampliação de novas zonas livres da febre aftosa sem vacinação. 

 

 

Texto: Ministério da Agricultura

Imagem: iStock

Veja também

Gestão na pecuária: os benefícios do uso da rastreabilidade individual bovina25/08/20 O ano de 2020 trouxe muitas incertezas para todos os mercados e não foi diferente para a pecuária brasileira. O setor, que vive um momento intenso e presencia o aquecimento nos números desde dezembro do ano passado, com um cenário firme de preços e comercialização do boi vivo, ainda precisa manter atenção às práticas que envolvem o seu......
Inverno: a temporada das forrageiras 14/05/19 Uma das maiores preocupações do homem do campo durante o inverno é a qualidade do pasto que será ofertada aos animais, alternativas para evitar o efeito sanfona e não perder sua lucratividade. Pastagens escassas, menor......

Voltar para EDITORIAS